Pular para o conteúdo principal

CLARIVATE ANALYTICS: Ciência potiguar em destaque

UFRN está entre as 15 universidades brasileiras com produções de maior impacto científico, conforme relatório da Clarivate Analytics, que analisa a qualidade das publicações nas principais revistas científicas

Qualidade das pesquisas desenvolvidas na UFRN atrai interesse da
comunidade científica internacional - Foto: Cícero Oliveira
Por Marina Gadelha

(AGECOM/UFRN) – “Não adianta produzir, tem de publicar”. Comum no ambiente acadêmico desde os bancos da graduação, essa frase se torna ainda mais presente nos cursos de pós-graduação das universidades, nos quais as pesquisas geram resultados importantes e que, portanto, merecem ampla divulgação para conhecimento da comunidade. As revistas científicas entram nesse contexto com o papel de compartilhar as produções dos pesquisadores em âmbito nacional e internacional, como forma de contribuir para as cooperações e o aproveitamento dos estudos no desenvolvimento de novas soluções.

Entre as milhares de publicações, algumas se destacam pela repercussão gerada na comunidade científica, que pode ser medida a partir da quantidade de citações em trabalhos de outros pesquisadores. A avaliação se estende às instituições nas quais as pesquisas foram desenvolvidas, de modo a identificar os lugares onde existem as produções de qualidade com maior impacto científico. Nesse quesito, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) assume a 13ª colocação entre as universidades brasileiras, conforme o relatório Research in Brazil: Funding Excellence, elaborado pela empresa Clarivate Analytics, que analisa a qualidade das publicações nas principais revistas científicas do mundo.

O levantamento levou em consideração a produção científica nacional entre 2013 e 2018 e foi realizado a pedido da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC). Em relação à UFRN, a produção está acima da média nacional nas áreas de Ciências Biológicas, Ciências Agrárias, Engenharias e Ciências Exatas e da Terra, com esta última também destacada nos índices de impacto de citações superiores em 43% à média internacional. De acordo com a pró-reitora de pesquisa da UFRN, Sibele Pergher, o resultado advém do trabalho de grupos de excelência existentes na universidade cujas pesquisas de alta qualidade alcançam relevância internacional.

Quando há excelência é mais fácil inovar, ditar caminhos e buscar recursos. Uma das estratégias para elevar esses índices é juntar os grupos de pesquisa em redes, focando em áreas temáticas, para formar outros grupos de excelência e continuar fortificando os que já existem”, afirma a professora, que aponta os laboratórios multiusuário como espaços para interação das diferentes áreas. A pró-reitora adjunta de Pesquisa, Elaine Gavioli, ressalta que a qualidade é mais importante que a quantidade, “pois significa visibilidade, interesse naquela informação produzida para aplicação. Se ela é citada, significa que é vista e compartilhada. É importante porque as pessoas se referenciam dessa informação”.

As publicações científicas estão concentradas principalmente nos programas de pós-graduação da universidade, nos quais grande parte das pesquisas é desenvolvida. Segundo o pró-reitor de Pós-Graduação da UFRN, Rubens Maribondo, o alto impacto contribui para a cooperação internacional, já que a instituição passa a ser referência em algumas áreas de conhecimento, assim como facilita a aprovação junto a órgãos de fomento nacional e internacional dos projetos de pesquisa nas áreas de destaque. “O resultado é fruto do trabalho de 41 anos na pós-graduação. Ampliamos o número de programas, cursos de doutorado, bolsistas de produtividade, infraestrutura. Vamos chegar além se continuarmos na mesma linha, apoiando ciência de qualidade, não quantidade”, conclui. Atualmente a UFRN dispõe de 93 programas de pós-graduação, que representam 132 cursos. Destes, 42 possuem doutorado.

Para o reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo, o destaque da universidade reflete o esforço do planejamento institucional e de todas as pessoas envolvidas no apoio às pesquisas, entre estudantes, professores e servidores técnico-administrativos. “Isso tem feito com que a instituição tenha crescido em número de publicações e na qualidade destas, além do fortalecimento da atividade de inovação, que também é marca importante da UFRN em nível nacional”, adiciona. O gestor avalia que o levantamento atesta a relevância social das pesquisas, motivo pelo qual serão mantidas as estratégias para seu fortalecimento.

Pesquisas de qualidade
Entre os grupos de excelência na UFRN está o Laboratório de Propriedades Físicas e Materiais Cerâmicos (LaPFiMC), do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais (PPGCEM) - único da instituição que possui conceito máximo na avaliação da Capes. Nesse laboratório, são conduzidas pesquisas com materiais cerâmicos tradicionais e avançados, usados como matéria-prima para a criação, por exemplo, de tijolos a partir do resíduo da perfuração de petróleo e de outros resíduos cerâmicos, além de produtos regionais como a xelita e a manipueira - líquido extraído da mandioca. O conforto térmico dos produtos está em fase de testes e patentes nessa área estão em processo de desenvolvimento.

O trabalho do grupo já rendeu a conquista de uma carta-patente neste ano, recebida pelo coordenador do LaPFiMC, professor Wilson Acchar, juntamente com o pesquisador Eduardo Jorge Vidal Dutra, pelo invento de massas cerâmicas para pisos e revestimentos com adição de cinzas da casca do café. Outros pedidos de patentes foram depositados e aguardam a concessão pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), processo que demora uma média de oito anos. Leia mais...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CURIOSIDADE: O sexo no mundo animal – tamanho do pênis

Na natureza, tamanho pode ser documento. A notícia que uma lula encontrada nas Ilhas Malvinas tem um pênis do comprimento do seu corpo causou certo espanto, mas ela está longe de ser exceção.

O homem Nesta proporção também se enquadra o homem. Em média, o tamanho médio dos pênis varia entre 12 e 15 centímetros em estado ereto, apesar de depender de diversos fatores como raça, biotipo, genética e tamanho da pessoa.
Portanto, não há uma definição específica para o tamanho do Pênis na nossa espécie. Segundo a enciclopédia científica, pênis apenas com 7 cm ou menos em estado de ereção são considerado pequenos.
A baleia-azul
A baleia-azul (Balaenoptera musculus), que chega a ter mais de 30 metros de comprimento, é considerada pelos cientistas a espécie mais bem dotada do reino animal, pelo menos em termos absolutos: o órgão sexual de um macho adulto atinge mais de 2 metros de comprimento -- mas isso significa apenas 7% do tamanho de seu corpo.
A Lula Na natureza, o tamanho do aparelho reprod…

ENQUETES: Enquetes mostram pouca reprovação do gestor Alan Silveira

Tudo bem que enquetes não representam o pensamento cientifico estatístico na sua essência, no entanto, elas, servem como um pré-parametro, podemos assim dizer, para termos uma base de um pleito.
E elas, as enquetes, nos dão uma ideia da pouca ou quase nenhuma reprovação do prefeito do Apodi, Alan Silveira, nesse inicio de campanha aqui em Apodi. Enquetes aponta larga vantagem de Alan Silveira.  Pelo menos todas que já li assim mostram.
Agora é esperar pelas primeiras pesquisas devidamente registrada no TRE, que possuem um valor cientifico mais apurado para confirmação.

NOTA DE PESAR: Faleceu Isaias

Cleber Isaías, foi a 30º vítima de covid em Apodi. Talvez por esta ligado a família foi a perda que mais nos deixou sentimento. 
A vida impôs desafios a Isaias, ele aceitou e os enfrentou com muita honra. Seu alto astral nos serviu como um espelho para a vida. Difícil encontrar uma foto sua séria para colocar em momento solene como esse. 
Meus mais sinceros sentimentos ao amigo Filhinho, pai de Isaias e família.

RECURSOS HÍDRICOS: Dessalinizadores implantados pela Semarh garantem água potável à famílias do semiárido

Levar o acesso à água potável e de boa qualidade para o consumo humano é uma das premissas do Governo do RN e para alcançar esse objetivo a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) prossegue implantando sistemas de dessalinização de água no interior potiguar. Na atual fase do Programa Água Doce (PAD), iniciada na gestão da governadora Fátima Bezerra, já foram instaladas 23 tecnologias que atenderão a mais de 5 mil pessoas no semiárido.
Ter água doce em casa diariamente era o sonho das 160 famílias da comunidade Logradouro, em Porto do Mangue. Para a moradora Jaqueline Costa, a máquina chegou para mudar completamente a vida dos moradores. “Sem água doce aqui a gente tinha que comprar água mineral com um custo alto. Nossa saúde e qualidade de vida vão melhorar bastante” comemora Jaqueline, que também é a operadora do sistema.
Para o secretário de estado do meio ambiente e dos recursos hídricos, João Maria Cavalcanti, o PAD é um dos programas mais bonitos exec…

PRÉ-CAMPANHA: MDB no corpo a corpo

Percorrendo casas de pessoas simples, como nunca deixou de fazer. O atual prefeito do Apodi Alan Silveira e seu vice Neilton Diógenes nesse período de pré-campanha estão firmes e fortes em seu projeto de reeleição.