Pular para o conteúdo principal

ECONOMIA: Guedes avalia imposto sobre pagamentos como espinha dorsal de ampla reforma tributária, dizem fontes

Reprodução.
Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, estuda endossar uma versão mais radical da reforma tributária, com a instituição de um imposto único sobre pagamentos, nos moldes da extinta CPMF, como espinha dorsal de uma grande simplificação dos impostos federais, afirmaram fontes com conhecimento direto do assunto.

A possível (reforma) que está se estudando realmente é o 5 em 1 federal. Quer dizer IPI, PIS, Cofins, Contribuição Social Sobre Lucro Líquido (CSLL), contribuição sobre folha de pagamento, tudo isso unificado numa alíquota única em cima de transações”, afirmou uma das fontes, em condição de anonimato.

Segundo a fonte, a investida seria acompanhada de uma revisão de estrutura do Imposto de Renda, “numa revolução de simplificação”.

Para integrantes do time econômico, a tributação sobre pagamentos representaria uma maneira de o país adotar uma base tributária condizente com a dinâmica atual da economia, marcada por serviços digitais que acabam escapando à estrutura tradicional de tributação.

Histórico defensor do imposto único, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, há tempos argumenta que, ao ser cobrado sobre transações nas duas pontas (tanto por quem paga quanto por quem recebe), esse modelo de tributo torna a sonegação impossível, ao mesmo tempo que não demanda uma grande estrutura de fiscalização, tampouco instrumentos complexos para pagamento e declaração.

Críticos do imposto único, por outro lado, apontam que ele provocaria distorções nos preços relativos por ser cumulativo e incidir sobre todas as etapas do processo produtivo.

Para a primeira fonte, o fato de a CPMF —que incidia sobre movimentações bancárias— ter vigorado por mais de uma década no Brasil com escala e “comprovação de eficácia” denota que o modelo é passível de implementação.

A CPMF foi criada em 1996 como um imposto transitório, voltado para o financiamento à saúde. Diante da facilidade de sua arrecadação e da vultosa ajuda de caixa que deu às contas públicas, o imposto na prática perdeu o caráter temporário e teve sua alíquota elevada a 0,38% até ser derrubado pelo Congresso em 2007.

Duas das três fontes afirmaram que o modelo final da reforma tributária do governo ainda não está decidido. Publicamente, Guedes já chegou a dizer que também trabalhava com a proposta de criação de imposto único federal com base no IVA (Imposto sobre o Valor Agregado).

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo no fim de abril, o próprio Cintra delimitou a extensão do imposto único sobre transações, ao afirmar que ele viria como Contribuição Previdenciária (CP), substituindo assim a contribuição sobre a folha de pagamento.

O formato final da proposta do Executivo para a reestruturação tributária deve ser tema de debate nesta quinta-feira, em reunião de Guedes com seus secretários especiais.

O encontro, que começou pela manhã e se estenderá até o fim da tarde, busca organizar as frentes de trabalho do time econômico após o texto-base da reforma da Previdência ter sido aprovado com folga na Câmara dos Deputados na véspera. As duas Casas do Congresso também buscam protagonismo em relação ao assunto.

Nesta semana, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), anunciou decisão dos líderes dos partidos de apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com mudanças tributárias que terá como base a PEC relatada pelo ex-deputado Luiz Carlos Hauly.

Já a Câmara instalou comissão especial para analisar outra PEC sobre o tema, de autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) e calcada nas ideias do economista Bernard Appy. Nos dois casos, a unificação de impostos é baseada na criação de um IVA.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CURIOSIDADE: O sexo no mundo animal – tamanho do pênis

Na natureza, tamanho pode ser documento. A notícia que uma lula encontrada nas Ilhas Malvinas tem um pênis do comprimento do seu corpo causou certo espanto, mas ela está longe de ser exceção.

O homem Nesta proporção também se enquadra o homem. Em média, o tamanho médio dos pênis varia entre 12 e 15 centímetros em estado ereto, apesar de depender de diversos fatores como raça, biotipo, genética e tamanho da pessoa.
Portanto, não há uma definição específica para o tamanho do Pênis na nossa espécie. Segundo a enciclopédia científica, pênis apenas com 7 cm ou menos em estado de ereção são considerado pequenos.
A baleia-azul
A baleia-azul (Balaenoptera musculus), que chega a ter mais de 30 metros de comprimento, é considerada pelos cientistas a espécie mais bem dotada do reino animal, pelo menos em termos absolutos: o órgão sexual de um macho adulto atinge mais de 2 metros de comprimento -- mas isso significa apenas 7% do tamanho de seu corpo.
A Lula Na natureza, o tamanho do aparelho reprod…

PANDEMIA: Falece de covid-19 em Mossoró 3º Apodiense

Mais um apodiense faleceu vítima da COVID-19. Sidney (45), estava internado na UTI em Mossoró lutando pela vida. Foi bravo, mas foi vencido. Teve duas paradas cardíacas e não resistiu na segunda no final da tarde início da noite de hoje (22). Infelizmente. Muito triste.
Nossos pêsames aos familiares. Sidney foi o terceiro Apodiense morto pelo coronavírus. Deus proteja a nós todos.

CIÊNCIAS: Vale apena saber – Porque quando estamos gripados não sentimos o cheiro nem sabor das coisas?

Quando você está com gripe ou resfriados você quase não sente o cheiro das coisas. Quanto ao sabor é como se tivéssemos comendo palha. Mas será por que isso acontece?
Ao ficarmos gripados ou resfriados as células que formam a mucosa nasal produz excesso de muco (espécie de liquido pegajoso) na tentativa de diminuir a irritação causada pelos agentes causadores da infecção.
Dessa forma o excesso de muco dificulta a chegada das moléculas de odor, que se propagam no estado gasoso, até as células receptoras de olfato e com isso há uma diminuição nesse sentido.
Além disso, os próprios vírus afetam células olfatórias prejudicam ainda mais o funcionamento do olfato. Como o olfato interfere na identificação dos sabores esse sentido também fica prejudicado, daí você também não sentir o gosto.
É isso ai, repouso, boa alimentação e muito líquidos são fundamentais na recuperação contra gripes e resfriados. Agora você ficou sabendo por que não sentimos cheiro nem o sabor quando estamos com gripe e resf…