SUSTENTABILIDADE: Plano de Logística Sustentável da UFRN

Reprodução.
Por Sérgio Ricardo Jr.

A responsabilidade de uma Instituição do porte da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em contribuir com o fortalecimento de questões socioambientais, aliada ao Decreto nº 7.746/2012 do Governo Federal, que estabelece para as administrações públicas federais o ordenamento de elaboração e implementação de um Plano de Gestão de Logística Sustentável (PLS), fez a Universidade criar e colocar em prática o seu próprio plano. O PLS é um instrumento de planejamento com objetivos, ações, metas, prazos de execução e responsabilidades definidas, além de mecanismos de monitoramento e avaliação.


Aprovado pelo Conselho Nacional de Secretários de Estado de Administração (CONSAD), o Plano de Logística Sustentável da UFRN permite às unidades vinculadas à UFRN estabelecer práticas de sustentabilidade e racionalização de gastos. O documento é constituído por um conjunto de nove Planos de Ação (PA), contendo objetivos, metas, responsabilidades, prazo, justificativa, etapas de execução, indicadores com período de monitoramento e custo estimado. O PLS desenvolvido pela UFRN, que complementa ações já desenvolvidas há alguns anos pela Diretoria de Meio Ambiente (DMA) da Instituição, abrange todos os campi e possui metas específicas - compatíveis com a realidade de cada campus.

Segundo o decreto, os planos de ação, as metas e os objetivos instituídos no PLS devem conter ações e políticas como: atualização do inventário de bens e materiais do órgão; práticas de sustentabilidade e racionalização do uso de materiais e serviços; ações de divulgação, conscientização e capacitação de servidores, entre outros. Nas práticas de sustentabilidade e racionalização de materiais e serviços de consumo, por exemplo, estão o uso sustentável de itens como papéis e cartuchos para impressão e copos descartáveis.

No geral, segundo dados fornecidos pela Coordenadoria de Planejamento da Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan), o PLS da UFRN tem um total de nove planos de ação, com 30 objetivos e 89 metas (ver gráfico ao lado).


O PLS da UFRN ainda contém dois planos de ação não obrigatórios, que são os que tratam de temas como arborização urbana e obras públicas sustentáveis. Além disso, a Universidade entende como importante alinhar as ações e políticas do PLS, de forma a atender proposições da Organização Nações Unidas (ONU), como a Agenda 2030 - um plano de ação para desenvolvimento sustentável - e a implementação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“O plano de ação que tem o impacto mais imediato é o de Compras e Contratações Públicas Sustentáveis. A Diretoria de Material e Patrimônio (DMP) da UFRN já estabeleceu um conjunto de metas de redução de itens de consumo, que têm impacto no meio ambiente, como copos descartáveis e papéis não recicláveis, e isso já está em vigor”, conta João Emanuel Evangelista de Oliveira, Pró-Reitor da Pró-Reitoria de Planejamento e Coordenação Geral (Proplan). Segundo João Emanuel, outro ponto importante para o sucesso da implementação do PLS na UFRN é a propagação informativa para a comunidade acadêmica, com a intenção de fomentar o envolvimento coletivo nas ações.

Pensando nisso, uma das estratégias adotadas pela Universidade, além da elaboração de uma campanha institucional de comunicação é a utilização dos membros atuantes na comissão de Segurança e Qualidade de Vida no Trabalho da Universidade para propagar e monitorar as ações do PLS em todas as unidades da UFRN, inclusive naquelas mais distantes do núcleo principal localizado em Natal. Os profissionais que atuam nessa área estão passando por treinamento de formação e capacitação para atuarem como agentes de internalização do novo modo de enxergar as questões de sustentabilidade da Instituição.

Segundo o pró-reitor João Emanuel, a escolha desses profissionais é estratégica e eles serão multiplicadores das políticas do plano. Além da propagação direta, uma campanha de comunicação para atingir alunos, servidores e professores já está sendo desenvolvida. “A presença desses representantes, exigida por lei, em todas as unidades da Universidade, ajudará na ampla divulgação dos planos de ação do PLS. A UFRN não é a primeira a desenvolver um plano como esse. A experiência nos mostra que, sem o envolvimento das pessoas no cumprimento das metas determinadas para o seu local de atuação ou trabalho, os efeitos dele são pequenos. Precisamos envolver as pessoas e estamos criando estratégias para fazer isso”, conta o pró-reitor. 

Impacto do Plano
O Plano de Gestão de Logística Sustentável da UFRN tem metas de curto e longo prazo. Com duração de dois anos, a ideia da Comissão Gestora do Plano é reavaliar, constantemente, os avanços de cada planejamento traçado para decidir onde e como melhorar as metodologias de absorção no organograma funcional e estrutural da Universidade. “Nós temos uma abrangência muito grande, por isso decidimos trabalhar com metas atingíveis. Concluímos que não adiantava incluir demasiadas metas, pois correríamos o risco de em dois anos não termos realizado nada. A ideia desde o começo é ir ampliando o escopo do PLS com o passar dos anos”, conta João Emanuel.

Membro da equipe que construiu e planejou o PLS, o administrador André Sandes conta que além de reformular o jeito que a Universidade age internamente, um plano de logística sustentável pode ser, também, uma forma de transmitir uma mensagem ao mercado e à sociedade. “O setor público tem um certo impacto no setor produtivo. Quando ele mostra que se preocupa com a sustentabilidade, trocando a iluminação por led e os aparelhos de ar condicionado por modelos mais econômicos, por exemplo, isso impacta até mesmo no preço desses produtos. Além disso, existe uma mensagem muito importante no que diz respeito para cumprir a sua função educativa, sinalizando caminhos”, explica André Sandes.

Comitê de gestão
Para a construção do PLS, foi instituída, ainda em outubro de 2017, a Comissão Gestora do Plano, que nasce com a atribuição de elaborar, monitorar, avaliar e revisar o PLS da UFRN. Nesta equipe, existem representantes e suplentes das seguintes unidades institucionais: Pró-Reitoria de Planejamento e Coordenação Geral; Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas; Diretoria de Meio Ambiente da Superintendência de Infraestrutura; Comitê Gestor de Aquisições e Contratações; Comitês Gestor de Tecnologia da Informação e Comunicação; Centros Acadêmicos; Unidades Acadêmicas Especializadas; e Centros Acadêmicos e Unidades Acadêmicas Especializadas localizadas nos campi do interior.

Dessa forma, a comissão responsável por construir e monitorar os avanços das novas políticas ambientais da UFRN é composta por oito titulares, representantes dos núcleos citados anteriormente, e igual número de suplentes. Os resultados alcançados pelo PLS são avaliados semestralmente por essa Comissão Gestora, com os balanços sendo publicados de forma online.

O Plano de Logística Sustentável da UFRN, na íntegra, está disponível AQUI.
Agência de comunicação da UFRN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CIÊNCIAS: Vale apenas saber - A classificação das aves

EM TEMPO: Alan Silveira continua dando um trato na infraestrutura urbana

CIÊNCIAS: Vale apena saber – Porque quando estamos gripados não sentimos o cheiro nem sabor das coisas?

CIÊNCIAS: Vale apena saber – O funcionamento da bexiga natatório dos peixes