Pular para o conteúdo principal

CÉREBRO: Como a atividade cerebral define nosso comportamento?

Pesquisa aproveita Inteligência Artificial para descobrir como a atividade cerebral gera o comportamento

Fotos: Cícero Oliveira.
O que faz de nós quem somos? Um questionamento antigo, complexo, por certo existencial, a partir do qual áreas do conhecimento, por vezes díspares, se debruçam. A ciência, há 20 séculos, semeia hipóteses de como o cérebro controla nosso comportamento. “O cérebro humano ficou obcecado por esta compreensão em si mesmo”, identifica o neurocientista do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (ICe-UFRN), Diego Laplagne, para em seguida ressalvar que há apenas cem anos, começamos a entender que os sistemas nervosos animais são compostos por células individuais, chamadas de neurônios, e que estes neurônios contatam uns aos outros formando circuitos onde a informação flui como pulsos de bioeletricidade.

Esses neurônios fazem o contorno da forma como percebemos o mundo – nossas memórias, emoções, decisões, pensamento consciente. Entretanto, ainda não significa que a ciência sabe como isso acontece. Através da pesquisa “Relendo a mente: descoberta imparcial de correlatos neurais do comportamento”, Laplagne, biólogo argentino radicado em Natal recentemente escolhido pelo Instituto Serrapilheira para receber incentivo financeiro no desenvolvimento do estudo, pretende aproveitar a atual revolução em inteligência artificial para programar computadores e, a partir deles, descobrir como a atividade cerebral gera o comportamento. A espinha dorsal para “reler a mente” é traçar como o entrecruzamento de cérebro animal, inteligência artificial e mentes humanas influenciam o emaranhado de identificações que constrói o comportamento humano. 

A ideia é construir mentes artificiais, com uma prótese-mental, para buscar compreender como funciona o cérebro. Ele propõe estudar como o cérebro do rato faz para que ele se comporte como um rato. Assim, a equipe interdisciplinar do laboratório Neurofisiologia do Comportamento vai registrar, através da combinação de gravações de vídeo e som, com medições da respiração, movimentos e postura, o comportamento livre de ratos em ambientes amplos e desenvolver novas ferramentas, a partir da inteligência artificial, para entender as nuances. 

O cientista confia que a combinação de mentes humanas e artificiais produzirá novas ideias e abrirá vias de pesquisa imprevisíveis na busca interminável para entender como nosso cérebro contribui para fazer de nós quem nós somos. Uma das maneiras pelas quais a neurociência abordou essas questões foi medindo a atividade de neurônios em cérebros humanos e de outros animais enquanto se envolvem em comportamentos diferentes.

Fotos: Cícero Oliveira
Laplagne explica ainda que sua pesquisa permite avançar no uso destes métodos na interpretação da atividade cerebral, o que pode contribuir em projetos aplicados. É o caso do desenvolvimento de próteses inteligentes para pessoas com limitações de movimento ou de outras interfaces entre o cérebro e o mundo externo.

Neste sentido, o trabalho seguirá quatro etapas básicas: obter, através de vídeo e sensores no corpo dos animais, um conjunto de dados maciços de ratos individuais, comportando-se livremente em um ambiente grande e enriquecido; desenvolver máquinas de aprendizado sem supervisão para construir o etograma (lista de comportamento) do rato e classificar automaticamente seu comportamento; seguir uma estratégia similar para descobrir o neurograma, um mapa de estado dinâmico da atividade cerebral; por fim, estabelecer causalidades entre estados comportamentais e neurais e explorar os correlatos neurais de comportamento dos animais.

Os quatro momentos, obtenção, desenvolvimento, seguimento e estabelecimento, tem programação estendida por quatro anos. Na perspectiva do Serrapilheira, o objetivo é provar a viabilidade do projeto neste primeiro ano, completando uma primeira versão dos quatro objetivos propostos. No triênio seguinte, coletar um conjunto de dados com tecnologia de gravação aprimorada, a fim de confirmar as hipóteses iniciais do primeiro ano.

O estudo dá subsídio para aumentar a experiência local em aprendizagem de máquinas, atualmente uma versátil ferramenta para a ciência em geral. Sobretudo ambiciosa, a abordagem abre possibilidades, segundo o pesquisador, para investigar o que faz nós quem somos. Enfim, os aspectos de nossa diferencialidade.

Ascom Reitoria/UFRN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

Vereador Charton Rêgo propõe inclusão do ensino de LIBRAS em escolas do Município

Aconteceu nesta noite de terça-feira 14/11/2017 as 19hs na sede da Câmara Municipal de Apodi-RN, uma reunião convocada pelo Vereador da Política com Seriedade Charton Rêgo. Alunos apodienses do Curso de Libras (UFERSA, Campus Caraúbas) e membros da Comunidade Surda de Apodi, foram convidados para debater sobre o Projeto de Lei 136/2017 de autoria do Vereador Charton Rêgo que propõe a inclusão da Língua Brasileira de Sinais no currículo escolar no âmbito municipal.
A PL (Projeto de Lei) que na sessão desta quinta-feira 16/11/17 será encaminhada as comissões, foi apresentada ao grupo que compareceu a reunião. Se aprovada e posteriormente sancionada pelo Executivo, a partir de 2018 a Secretaria de Educação terá obrigatoriedade de garantir acesso das pessoas surdas à comunicação, à informação e à educação, como rege a legislação federal que determina que uma série de medidas sejam tomadas pelos Estados e Municípios que visem tais garantias.
A PL ainda trata sobre a promoção de cursos de c…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio