Pular para o conteúdo principal

O problema do PSDB se chama Aécio

Deixá-lo livre para agir foi um erro que poderá se revelar fatal em 2018

 Reproduçãoo
Por Helio Gurovitz

Não é de hoje que o PSDB tem um problema. Um problema com nome e sobrenome: Aécio Neves. Ele pode ter sido poupado pelo Conselho de Ética e pelo plenário do Senado, pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e adulado pelos ministros que pretendem ficar no governo Michel Temer. Mas não, Aécio não pode ser poupado pelos fatos.

Pediu R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, o dinheiro foi entregue a seu primo numa operação controlada da Polícia Federal (PF) autorizada pela Justiça, sua irmã (e operadora) Andréa foi presa, mediante provas abundantes de corrupção.

Depois que Aécio foi denunciado à Justiça, o Senado deveria tê-lo cassado, o partido deveria tê-lo expulsado. Mas não. À moda do PT que sempre passou a mão na cabeça de seus corruptos de estimação, foi poupado. Com a bênção do STF.

De um Senado atolado na Operação Lava Jato, não se poderia esperar muito. Mas o descaso do PSDB foi escandaloso, ainda mais diante do padrão ético exigido dos adversários. No mesmo dia em que a PF desbaratava os esquemas, em vez de ficar quieto, Aécio aparecia numa rede social ao lado de lideranças partidárias, em atitude de desafio.

Ele aceitou deixar a Presidência do partido. A legenda rachou. Não por causa do futuro – a escolha do candidato à Presidência em 2018. Mas por causa do interesse imediato de Aécio – manter a aliança com Temer para garantir no Senado os votos que o livrassem das garras da Justiça.

Uma vez na presidência interina, Tasso tentou resgatar um pouco da credibilidade perdida com um programa de TV levado ao ar em agosto. O partido fazia uma espécie de mea culpa contrito. Admitia não ter estado à altura das expectativas éticas.Mas sem entrar em detalhes ou reconhecer crimes específicos. A reação interna foi feroz.

Mais recentemente, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, político tarimbado, estrilou da forma que um tucano estrila: defendeu em artigo a saída do governo Temer. Quadros históricos, como o ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco, simplesmente deixaram o partido.

A ala ligada ao governador paulista, Geraldo Alckmin, via a eleição partidária, marcada para 9 de dezembro, como uma oportunidade de pacificação. Quem quer que fosse eleito – o senador Tasso Jereissati ou o governador Marconi Perillo – daria apoio a sua candidatura em 2018. A ruptura com Temer seria questão de tempo.

Novamente, Aécio não soube ficar quieto. Ao tirar ontem Jereissati da presidência interina, de modo arbitrário e sem as consultas de praxe, pôs outra vez seu interesse pessoal adiante do partidário. Para ele, o que importa é manter a todo o custo a aliança com Temer, eleger Perillo e tentar manter o foro privilegiado no ano que vem. Para isso, considera até descer um degrau na hierarquia política e candidatar-se a deputado federal. O resto é secundário.

O preço a pagar será altíssimo. Cada dia que os ministros tucanos permanecem no governo mais impopular da história do Brasil contribui para associá-los ainda mais à agenda de Temer. Para Alckmin, ser o candidato da situação é o caminho mais curto para a derrota. Ser o candidato de um partido conflagrado, sem o apoio da ala mineira de Aécio, não levará a destino muito diferente.

O descaminho do PSDB é melancólico. O partido seria o beneficiário natural da derrocada petista. Mas precisaria ter feito aquilo que o PT não fez: uma limpeza interna dos quadros manchados pela Lava Jato.

Pelo menos daqueles sobre os quais pesam evidências concretas, além das acusações de delatores. O primeiro da fila deveria ter sido Aécio, por R$ 2 milhões de motivos. Deixá-lo livre para agir foi um erro que poderá se revelar fatal para 2018.
Nota do Blog
Voltando aqui aquelas gravações daqueles grampos com Aécio Neves, percebe-se que ele é um elemento de altíssima periculosidade.

Seu linguajar chulo, revoltado, debochado. Dizendo palavrões o tempo todo mostra o quanto ele é um elemento perigoso. (Clique AQUI, AQUI e AQUI e relembre). Coisa que nos lembra mais o linguajar daqueles traficantes, quando também são pegos em grampo. Desculpe a comparação. Mas é por que lembra mesmo.  

E, agora, destituindo Tasso Jereissati da liderança do PSDB como quem se joga papel higiênico usado no lixo... O Brasil teve muita sorte desse elemento não ter chegado a presidência.

Pena que o nosso congresso é igual a ele. Lamentável que nas instâncias máxima da justiça, salvo uma ou outras exceções temos juízes a serviço de partidos (Clique AQUI para dar uma relembrada). São colocados lá não para julgar, mas para advogar causas de partidos políticos. E Julgam e condenam, causas de ladrões de galinhas. Lamentável nosso futuro.

Aliás, estamos sem qualquer perspectiva de futuro se deixarmos a política continuar sendo praticada dessa forma. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

APODI: DNIT quer demolir residência e desapropriar moradores que se encontram as margens da BR 405 no Distrito de Melancias

D. Mariana Carvalho, que mora no Distrito de Melancias, zona rural do Apodi, Oeste do RN, está aflita. Está prestes a perder sua residência e ser desapropriada.
O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura do Trânsito) está querendo demolir sua residência juntamente com a residência do Pr. Gilberto de uma congregação do Distrito.

D. Mariana nos conta que há 01 ano recebeu uma visita do DNIT, notificando sua residência e a residência do Pr. Gilberto. O DNIT alega que sua casa e a do pastor na na área territorial do DNIT.
Ora, qual é esse critério do DNIT para decidir a esse respeito? Dezenas de centenas de casas em Melancias encontram-se as margens da BR 405. Muitas distantes, 05, 07, 10 metros da BR. Em Apodi mesmo, inúmeros estabelecimentos comerciais e casar estão praticamente dentro da BR 405.
Segundo nos relatou D. Mariana, sua residência encontra-se distante 28 metros da BR 405 que corta o Distrito de Melancias. Bem mais distante que diversas outras casas e estabelecimentos comerc…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio