VIDA BELA: O negócio mesmo é dividir a grana entre os cabos eleitorais

Imagem reprodução.
Há gestões que tem modo bem particular de administrar. Só a títulos de exemplo, dividir aos recursos públicos com cabos eleitorais. Só precisa disso.

Daí para frente, parte desses recursos roda entre os eleitores, outra parte é usada para pagar um salário de fome a comissionados, outra ainda é desviada para pagar contas de campanhas.

Preocupação em constituir uma base para o futuro da localidade não é a preocupação salutar. Essas particularidades de voltar o pensamento da gestão em prol do coletivo, para as gestões que assim trabalham não dá – como poderíamos dizer – aquela química para um grupo político que busca permanecer no poder.  

Nada como aquele trocado para se dizer que lembrou do eleitor. O particular substitui o coletivo. Entre uma tapinha nas costas e outro, uma estadia constante no meio do povo, outro exemplo é comer o pão de dores em restaurantes popular para fazer marketing, etc. são qualidades que entorpecem o povo que foi a acostumado a olhar só para o chão. É mais ou menos isso.

Onde vamos parar com isso? Uma ligeira mostra da situação vemos no Brasil quebrado na atualidade. Assim não haverá amanhã. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ABERRAÇÃO: Quem votou contra e quem votou a favor de mais desperdício de recursos públicos?

Diretora administrativa da maternidade Claudina Pinto pede demissão

EM TEMPO: Reunião da APAMI – As contradições do chefe do executivo

NOTA DE REPÚDIO AO PODER PÚBLICO MUNICIPAL DE APODI

Zelo pelo recurso público né? Sei!