Trilhas Potiguares priorizam educação, turismo e meio ambiente em Vera Cruz

Fotos: F. Henrique Rebouças/ Agência Comtrilhas-DECOM/UFRN.
Por Sirleide Pereira

Pela sexta vez consecutiva em Vera Cruz, o Programa Trilhas Potiguares já tem como certo o retorno em 2018, ao município de 12 mil habitantes na Região Agreste do Estado.  Durante a visita da Administração Central da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na manhã dessa sexta-feira, 04, o prefeito Marcos Antonio Cabral declarou o interesse em receber os alunos da UFRN no próximo. “Estou muito satisfeito com essa troca”, declarou o chefe do executivo de Vera Cruz.

Ao visitar o trabalho de 17 participantes de graduação e pós-graduação no SEMEI, uma das 13 escolas municipais de Vera Cruz, a reitora Ângela Maria Paiva Cruz ouviu a avaliação positiva do secretariado sobre o Trilhas Potiguares 2017. Titulares das pastas de Habitação e Ação Social, Cultura, Turismo e Meio Ambiente e da Educação destacaram os resultados dos trilheiros.

Autora de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) defendido sobre esse Programa de extensão, a servidora da UFRN e coordenadora de equipe, Hilca Honorato, relatou o quanto cresceu como pessoa e academicamente, ao participar anteriormente do Trilhas na condição de aluna. A diversidade dessa experiência é vista pelo coordenador Geral do Programa, Breno Cabral, “como importante na vida acadêmica e pessoal dos alunos que agregam o Trilhas ao currículo”.

Após participar de uma intervenção no meio ambiente e conhecer os produtos sem agrotóxico da agricultura familiar, a reitora deixou uma mensagem de otimismo e esperança: “Se as escolhas de vocês tiverem compromisso com a melhora do dia a dia, todos teremos um futuro melhor”, disse a gestora da UFRN.
Ascom-Reitoria

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FESTA: Rio Apodi amanheceu de barreira a barreira, lagoa do Apodi tomando muita agua

EITA PIULA: Ex-secretário de turismo Júnior Costa desmente matéria da assessoria de Alan e mostra provas

NATUREZA: Praticamente 10 anos depois a Lagoa do Apodi volta a ter um grande volume d’água