Pular para o conteúdo principal

MARECHAL FLORIANO PEIXOTO: Quem realmente foi? O que de fato fez?

"Como receberia uma intervenção? De um único modo: à bala!"
(Floriano Peixoto)

Imagens reprodução/Leituras de domingo.
Por Bruno Coriolano/13 de agosto de 2017

Uma rápida pesquisa no Google e notamos um número bastante considerável de avenidas e ruas com o nome de Marechal Floriano Peixoto, ou simplesmente Floriano Peixoto. São Aproximadamente 603.000 resultados para “Avenida Marechal Floriano Peixoto” e mais 700.000 resultados para “Rua Marechal Floriano Peixoto”. E ainda temos cidades com o nome Marechal Floriano ou em referência ao mesmo.

A máxima “brasileiro tem memória curta” poderia ser uma boa explicação para tantas honrarias para tal figura histórica brasileira. Na verdade, poderíamos dizer mesmo que brasileiro, a grosso modo, desconhece sua própria história, ou, na melhor das hipóteses, confia na primeira coisa que lhe dizem.

Tal assunto poderia ser de pouquíssima relevância, afinal, quem iria querer levantar tal questão sobre um sujeito que morreu há 123 anos?

O fato é que, considerando o atual momento da história brasileira, nosso personagem entra para a mesma como o primeiro vice-presidente a assumir a República Federativa do Brasil. Isso mesmo, muita gente sabe que Floriano Vieira Peixoto, nordestino nascido em Maceió, foi presidente do Brasil, sem vice-presidente.

O que talvez muita gente não saiba – e ninguém tem obrigação de carregar tal informação consigo – é que o mesmo Floriano foi, na verdade, o primeiro vice-presidente também, assumindo o cargo de chefe de governo e chefe de Estado do maior país em extensão territorial da América Latina. Logo, não vá pensando que Michel Temer foi o primeiro vice-presidente do país a “aplicar um golpe” e assumir a presidência. A história do Brasil é bem mais recheada do que a TV e as páginas do Facebook andam lhe contando.

No dia 23 de novembro de 1891, um homem descrito pelo escritor, tradutor e ilustrador Paulo Schmidt como um “homem de hábitos frugais, baixo, franzino, lacônico e impassível como seus ancestrais índios” assume o cargo máximo de líder dos brasileiros. Até aí nada de anormal, mas já nas suas primeiras atitudes antes do famoso golpe militar, sem participação popular, que primeiro derrubou a legitima monarquia brasileira e forçou o exílio imediato do Imperador Dom Pedro II e sua família, o que depois viria a consolidar o episódio patético que conhecemos como PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA, se mostrara um completo covarde.

Floriano Vieira Peixoto, ajudante-general do exército brasileiro, traiu o primeiro presidente, o Marechal Deodoro da Fonseca, que hoje não passa de efígie na moeda de 25 centavos da segunda geração de moedas do Real e que também não fora eleito pelo povo presidente do Brasil. Floriano aliou-se ao Partido Republicando Paulista, partido que viria a sofrer traição dele mais tarde quando o novo presidente da república, e resolveu contrariar os ideais da legenda e centralizar o governo em torno de si próprio e não ceder autonomia aos estados brasileiros, que compunham a república federativa, o que dava legitimidade ao nome oficial da nação (República Federativa do Brasil).

Se tivesse parado por aí, Floriano Peixoto, sobretudo se considerarmos as atrocidades que seu antecessor e quase todos os sucessores viriam a cometer, poderia até ser considerado um santo. Santo não, um cavaleiro do apocalipse, no melhor dos cenários. Floriano tentou introduzir na política nacional uma figura que nunca existiu – e que até o ano de 2017 ainda não existe – a figura de salvador da pátria.

Autocrata, deteve todo o poder pela força, sob a desculpa de proteger o país contra inimigos que só existiam em sua cabeça desajustada. Como um verdadeiro autoritário, Floriano tentou regular todos os aspectos (economia, cultura...) da sociedade brasileira, chegando inclusive a determinar, em 1892, que a festa do carnaval fosse transferida para o mês de junho. A justificativa do grande sábio em questão era que a grande concentração de pessoas aumentava o risco de epidemias. Vários artigos de jornais da época traziam a revolta dos jornalistas, que alegavam que o novo presidente não queria a alegria do povo.

Isso tudo não foi nada comparado ao não comprimento do artigo 42 da primeira constituição republicana brasileira (ortogada em 1891), que versava sobre novas eleições para presidente da república, caso o presidente renunciasse antes de dois anos*. O que acontece é que o presidente que antecedera Peixoto, o já mencionado Deodoro da Fonseca, renunciara no dia 23 de novembro de 1891. Mas Floriano assumiu, e permaneceu no cargo, alegando que “a própria constituição abria uma exceção, ao determinar que a exigência só se aplicava a presidentes eleitos diretamente pelo povo, assumindo assim o papel de consolidador da República”, assim, anulando o decreto de dissolução do Congresso, além de trocar os governadores que apoiavam Deodoro.

O que sabemos hoje é que a única coisa que ele consolidou foi a perpetuação do próprio autoritarismo na política brasileira. As grandes marcas de tal crápula são perceptíveis na sua promoção de violência, desprezo pelas leis e pela democracia, atitudes completamente contrarias aos valores prometidos pela República.

Floriano Peixoto então permaneceu no poder como presidente da República por 2 anos e 357 dias, enfrentando a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul com mão de ferro, o que, a grosso modo, o rendeu o único título que mereceu receber, “Marechal de Ferro". Título, na verdade, que não passava de um apelido pejorativo e que lhe rendeu a homenagem forçada de renomear a cidade catarinense Desterro (Originalmente denominada "ilha de Santa Catarina") para Florianópolis, belíssima cidade que não lembra em nada o Marechal de Ferro.

Lógico, nomear uma avenida com o nome de um “herói nacional” como este é um ato de grandeza. Duvido que até mesmo ele, em sã consciência iria imaginar um dia viver qualquer homenagem de um povo mais culto. No entanto, vivemos de fatos e não de imaginação. O carto mesmo é que pelo menos agora você já sabe quem foi Floriano Peixoto.

Para não alongar ainda mais o texto, resumo logo abaixo algumas curiosidades sobre o Marechal de Ferro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faleceu a jovem Ellaine Torres

Ellaine Torres se foi... Perdeu a luta para sua enfermidade. Foi uma guerreira. Resistiu enquanto pode. Não deu. Muito jovem, deixa filhinha, familiares e um mundo de amigos órfãos.
Muito triste para todos nós a perda de uma pessoa do bem e que tinha uma vida inteira pela frente.
Que Deus possa nos conceder o conforto. O sepultamento de Ellaine Torres será às 16 horas, no cemitério parque saudade.
Este é o meu consolo no meu sofrimento: A tua promessa dá-me vida Senhor. Salmos 119:50”.

E Alanzinho inaugura a primeira grande obra do seu governo

Uma vez a praça pronta - a parte mais difícil, diga-se de passagem - um parque viria complementar tão grandiosa obra.
A bacurauzada (como é conhecida a militância do PMDB por aqui) do Apodi vai, hoje (21), esquecer a praça, se regozijar e irá focar todo seu olhar, carinho e atenção no parque. Muito bonito, por sinal. Com certeza garantia de muitos sorrisos nos rostos das crianças daqui para frente. 
O Governo Alan Silveira (Alanzinho - como é carinhosamente chamado), inaugurará o parquezinho infantil da praça no dia de hoje. A primeira obra do seu governo. Muito bom para início. Vão logo começando a contar, temos certeza que muitas outras virão. Parabéns prefeito.

Zé Maria anuncia rompimento com o grupo do PCdoB

A partir de agora não partilharei de nenhum projeto ao lado do PCdoB. Tivemos um grupo até ganhar a eleição, depois, o boicote e o isolamento promoveu o desgaste”. Com essas palavras o ex-prefeito do Apodi, José Maria da silva, anunciou a esse blogueiro em entrevista na noite de ontem (29), o rompimento com o grupo do PCdoB aqui do Apodi.
Zé Maria nos afirmou que algumas pessoas estão achando, por exemplo, que a indicação do hospital foi um consenso de toda a oposição. Mas ele afirma que não foi bem assim. “Gostaria de esclarecer que não tive nenhuma participação nessa indicação. Eu, com o apoio de todos os vereadores de oposição, estava definindo um nome, porém a liderança do PCdoB não respeitou e fez a indicação de maneira isolada, desrespeitando a todos nós”, explicou Zé Maria. “Diante disso e de outras situações desagradáveis que passei (sem externar, em defesa da unidade), a partir de agora não partilharei de nenhum projeto ao lado do PCdoB”, continuou. “Tivemos um grupo até ganh…