Pular para o conteúdo principal

CIÊNCIAS E A SAÚDE – ALEITAMENTO: Campanha agosto dourado abordada a importância da amamentação para o desenvolvimento do Bebê e a diminuição dos riscos a saúde

Fotos: Wallacy Medeiros
Por Evelin Monteiro

O primeiro gesto de amor e de vínculo entre mãe e filho: a amamentação, é mais uma vez alvo da campanha Agosto Douradodo Ministério da Saúde com apoio da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Com o tema Todos Juntos pela Amamentação, a campanha está sendo realizada na Universidade Federal do Rio Grande do Norte pela Diretoria de Atenção à Saúde (DAS) e visa conscientizar mães, pais, juízes, entidades, profissionais da saúde, empresários, educadores e toda a sociedade no sentido de oferecer apoio ao ato de amamentar.

De acordo com a enfermeira da DAS Inamar Ferreira Gadelha, o leite materno é importante para o desenvolvimento de uma criança dos seis meses de vida até os dois anos de idade. Durante os seis primeiros meses, o bebê não necessita de nenhum outro alimento, visto que o leite é rico em água e nutrientes e possui anticorpos.

Crianças bem amamentadas correm menos riscos de contrair infecções e alergias como diarreias e doenças respiratórias. Além disso, o ato de amamentar favorece o desenvolvimento harmonioso da face e da fala do bebê, contribui para a formação de dentes saudáveis e estimula uma boa respiração. No futuro, as chances de sofrerem com asma, obesidade ou diabetes também são reduzidas.  Para as mães também há benefícios como a diminuição do sangramento após o parto, menor risco de anemia, diabetes, cânceres de mama, ovário e útero. Além disso, amamentar ajuda na recuperação do peso anterior à gravidez.

A servidora Saneiriany de Araújo comenta os benefícios que o leite materno trouxe ao filho quando recém-nascido. “Em apenas 28 dias, ele ganhou um quilo e cem gramas. Prova de que o leite materno supre a necessidade da criança”, comentou. Não existem alimentos prejudiciais à qualidade do leite, porém o abuso de alguns alimentos pode provocar cólicas ou alergias na criança. Segundo Inamar Gadelha, é indicado evitar cafeína, refrigerantes, chocolates, bebidas alcoólicas e também a automedicação.

Quem não pode amamentar?
Há alguns casos de doenças infecciosas em que a amamentação exige cuidados. Porém, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) reforça que nem todas as mães portadoras de doenças transmissíveis devem interromper o ato, principalmente nos seis primeiros meses de vida do bebê.

A SBP defende que é possível manter a amamentação mesmo em casos em que o vírus se aloja no leite materno a exemplo da zika, chicungunya, dengue e febre amarela, visto que, ao passar pelo estômago, as partículas virais sofrem a ação do próprio suco gástrico e enzimas, e assim, perdem o poder de infecção. "A orientação adequada nessas situações é fundamental para evitar o desmame ou a introdução desnecessária de suplementos lácteos ou complementos alimentares", alerta a SBP.

No Brasil, as mães portadoras do HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) e do HTLV (Vírus T-linfotrópico Humano) são as únicas contra-indicadas a amamentar. Doenças como rubéola, caxumba, catapora, influenza do tipo 1, coqueluche, diarréia e tuberculose não apresentam o agente infeccioso no leite materno.

A tuberculose, por exemplo, é transmitida por gotículas respiratórias, como o espirro e a tosse. Nesse caso, além do uso de medicações, é recomendável que a mãe faça o isolamento respiratório com máscaras para evitar que o bebê seja infectado.

Para tratar de casos específicos sem interromper a amamentação, a mãe pode retirar o leite e oferecê-lo na forma crua. Pediatras recomendam a retirada de sete a oito vezes por dia, para manter a lactação e a produção do leite depois que a mãe estiver curada.

Para orientar profissionais da Saúde, o Departamento Científico de Aleitamento Materno da SBP criou um guia, disponível no site, onde propõe a interrupção ou manutenção do aleitamento apenas em casos específicos. Clique aqui para acessar o documento.

Gestante Ativa, Bebê Saudável 
Na UFRN, a Diretoria de Atenção à Saúde do Servidor (DAS), através da Coordenadoria de Atenção à Saúde (CAS), oferece, por meio do programa Gestante Ativa, Bebê Saudável, orientações sobre os cuidados na maternidade com o objetivo de contribuir para uma gestação saudável e um puerpério seguro. O programa é voltado para servidoras gestantes, cônjuges e avós.

De acordo com a enfermeira Fátima Gomes Rufino, o programa  possui uma equipe de profissionais da enfermagem, nutrição, psicologia e obstetrícia que, por meio de cursos, simulações e vídeos, orientam sobre atividades físicas, prevenção contra acidentes, necessidades nutricionais da mãe e do lactante. Durante o Agosto Dourado, materiais educativos cedidos pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) estão sendo distribuídos na DAS com informações sobre a importância da amamentação.


As mães de primeira viagem geralmente têm muitas dúvidas e o programa me ensinou sobre os cuidados com o bebê e comigo mesma”, disse a servidora e técnica de enfermagem Aline dos Anjos, 38 anos, mãe de menina. “Ser mãe é realizador e os problemas se tornam mínimos porque eles preenchem todo o amor dentro da gente”, completou.

Para a doutoranda em engenharia química, Maitê Medeiros, 28 anos, mãe de um menino, o curso da DAS contribuiu inclusive para o lado emocional. “O contato com as profissionais e com as mães auxiliou na aprendizagem, pois a maioria das participantes tinha dúvidas em comum e compartilhamos muito juntas. 

Aprendemos muito sobre a saúde da gestante, vacinação, parto e segurança do bebê. Enfim, o curso serviu de embasamento para minha jornada como mãe”, assegura.

Agência de Comunicação da UFRN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

Vereador Charton Rêgo propõe inclusão do ensino de LIBRAS em escolas do Município

Aconteceu nesta noite de terça-feira 14/11/2017 as 19hs na sede da Câmara Municipal de Apodi-RN, uma reunião convocada pelo Vereador da Política com Seriedade Charton Rêgo. Alunos apodienses do Curso de Libras (UFERSA, Campus Caraúbas) e membros da Comunidade Surda de Apodi, foram convidados para debater sobre o Projeto de Lei 136/2017 de autoria do Vereador Charton Rêgo que propõe a inclusão da Língua Brasileira de Sinais no currículo escolar no âmbito municipal.
A PL (Projeto de Lei) que na sessão desta quinta-feira 16/11/17 será encaminhada as comissões, foi apresentada ao grupo que compareceu a reunião. Se aprovada e posteriormente sancionada pelo Executivo, a partir de 2018 a Secretaria de Educação terá obrigatoriedade de garantir acesso das pessoas surdas à comunicação, à informação e à educação, como rege a legislação federal que determina que uma série de medidas sejam tomadas pelos Estados e Municípios que visem tais garantias.
A PL ainda trata sobre a promoção de cursos de c…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio