Pular para o conteúdo principal

CERES: Cordelteca da UFRN abriga mais de dois mil títulos e promove cultura popular

Vinte quatro de novembro/ Foi lá na Universidade/ Um grande feito foi feito/ Que me deu felicidade/ criou-se uma Cordelteca/ Na maior tranquilidade/ .../ Agora muito contente/ Tenho aonde pesquisar/ Um ambiente sagrado/ para o Cordel estudar/ os poetas de Caicó/ Já podem comemorar

Fotos: Wallacy Medeiros. Espaço possui cerca de 2500 títulos que estão sendo
catalogados e já se consagra como um dos maiores acervos
de Cordel do Nordeste. Clique para ampliar.
Por Juliana Holanda

Cordelista potiguar Agostinho Francisco dos Santos sobre a inauguração da Cordelteca Poeta Djalma Mota da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Localizada no Centro de Ensino Superior do Seridó (Ceres), em Caicó, a Cordelteca é a única do Brasil que possui um Cordel explicando seu nascimento. O espaço possui cerca de 2500 títulos que estão sendo catalogados e já se consagra como um dos maiores acervos de Cordel do Nordeste. 

Há, inclusive, edições históricas das décadas de 1930 e 1940 que são consideradas o pontapé inicial para a criação da Cordelteca. As obras foram doadas à universidade pelo monsenhor Ausônio Tércio de Araújo, enquanto esteve na diocese de Caicó.

A maior parte dos livretos chegou à UFRN por meio de doações. Para ajudar na popularização do Cordel, o poeta homenageado Djalma Mota, por exemplo, doou mais de 600 títulos do seu acervo pessoal. “Houve doações de particulares e de instituições como a Academia Brasileira de Literatura de Cordel e a Associação de Trovadores do Seridó”, afirma o coordenador da Cordelteca e professor do Departamento de História do Ceres, Lourival Andrade Júnior.

Natural do Rio Grande do Sul, Lourival Júnior conta que só conheceu o Cordel em 2009, quando foi morar em Caicó, e se interessou tanto pelo gênero literário que baseou o pós-doutorado no tema. “O folheto de Cordel é uma fonte histórica extremamente importante. É um objeto que pode ser utilizado para entender a história, sobretudo nordestina”, destaca.

Outro coordenador da Cordelteca, o professor do Departamento de História do Ceres, Joel Carlos de Souza Andrade, conta que foi alfabetizado no interior da Paraíba, lendo cordéis em casa. “Meu envolvimento com o Cordel vem de longas datas. Devo meu letramento ao Cordel”, relembra.

Joel Andrade acredita que a Cordelteca é um espaço que interessa ao público em geral, além de cordelistas e de pesquisadores de todo o Brasil. “Nosso acervo possui obras variadas. Queremos incentivar a pesquisa sobre esse gênero literário que é tão importante para a cultura nordestina”, explica.

Apesar de inaugurada em novembro de 2016, o local precisa de reforma e os cordéis ainda não podem ser consultados pelo público externo. “Estamos tentando mudar o acervo para um lugar mais adequado. A ideia é que a Cordelteca seja transformada em um espaço de pesquisa e que as obras sejam utilizadas como material didático e como fonte histórica”, explica Lourival Júnior.

Djalma Mota, poeta que dá nome à Cordelteca, foi eleito por cordelistas da região do Seridó potiguar para ter seu nome imortalizado no espaço. A eleição também foi contada no cordel de Agostinho Francisco dos Santos: “Sem ninguém interferir/ O nome foi escolhido/ Poeta ‘Djalma Mota’/ Por sinal bem merecido/ No meio dos cordelistas/ Foi muito bem recebido/ Um poeta conhecido/ Do Cordel protagonista/ Na cidade de Caicó/ É o primeiro da lista/ Além de ser um poeta/ É também radialista/ É um grande cordelista/ Da arte é merecedor/ Na oficina de Cordel/ Nosso mestre e professor/ E nos braços da poesia/ Terá sempre o seu andor”.

Interessados em conhecer mais sobre o trabalho ou em realizar doações para a Cordelteca Poeta Djalma Mota da UFRN devem entrar em contato com o coordenador Lourival Andrade Júnior pelo e-mail: lourivalandradejr@yahoo.com.br.
Agência de Comunicação da UFRN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CURIOSIDADE: O sexo no mundo animal – tamanho do pênis

Na natureza, tamanho pode ser documento. A notícia que uma lula encontrada nas Ilhas Malvinas tem um pênis do comprimento do seu corpo causou certo espanto, mas ela está longe de ser exceção.

O homem Nesta proporção também se enquadra o homem. Em média, o tamanho médio dos pênis varia entre 12 e 15 centímetros em estado ereto, apesar de depender de diversos fatores como raça, biotipo, genética e tamanho da pessoa.
Portanto, não há uma definição específica para o tamanho do Pênis na nossa espécie. Segundo a enciclopédia científica, pênis apenas com 7 cm ou menos em estado de ereção são considerado pequenos.
A baleia-azul
A baleia-azul (Balaenoptera musculus), que chega a ter mais de 30 metros de comprimento, é considerada pelos cientistas a espécie mais bem dotada do reino animal, pelo menos em termos absolutos: o órgão sexual de um macho adulto atinge mais de 2 metros de comprimento -- mas isso significa apenas 7% do tamanho de seu corpo.
A Lula Na natureza, o tamanho do aparelho reprod…

ENQUETES: Enquetes mostram pouca reprovação do gestor Alan Silveira

Tudo bem que enquetes não representam o pensamento cientifico estatístico na sua essência, no entanto, elas, servem como um pré-parametro, podemos assim dizer, para termos uma base de um pleito.
E elas, as enquetes, nos dão uma ideia da pouca ou quase nenhuma reprovação do prefeito do Apodi, Alan Silveira, nesse inicio de campanha aqui em Apodi. Enquetes aponta larga vantagem de Alan Silveira.  Pelo menos todas que já li assim mostram.
Agora é esperar pelas primeiras pesquisas devidamente registrada no TRE, que possuem um valor cientifico mais apurado para confirmação.

NOTA DE PESAR: Faleceu Isaias

Cleber Isaías, foi a 30º vítima de covid em Apodi. Talvez por esta ligado a família foi a perda que mais nos deixou sentimento. 
A vida impôs desafios a Isaias, ele aceitou e os enfrentou com muita honra. Seu alto astral nos serviu como um espelho para a vida. Difícil encontrar uma foto sua séria para colocar em momento solene como esse. 
Meus mais sinceros sentimentos ao amigo Filhinho, pai de Isaias e família.

RECURSOS HÍDRICOS: Dessalinizadores implantados pela Semarh garantem água potável à famílias do semiárido

Levar o acesso à água potável e de boa qualidade para o consumo humano é uma das premissas do Governo do RN e para alcançar esse objetivo a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) prossegue implantando sistemas de dessalinização de água no interior potiguar. Na atual fase do Programa Água Doce (PAD), iniciada na gestão da governadora Fátima Bezerra, já foram instaladas 23 tecnologias que atenderão a mais de 5 mil pessoas no semiárido.
Ter água doce em casa diariamente era o sonho das 160 famílias da comunidade Logradouro, em Porto do Mangue. Para a moradora Jaqueline Costa, a máquina chegou para mudar completamente a vida dos moradores. “Sem água doce aqui a gente tinha que comprar água mineral com um custo alto. Nossa saúde e qualidade de vida vão melhorar bastante” comemora Jaqueline, que também é a operadora do sistema.
Para o secretário de estado do meio ambiente e dos recursos hídricos, João Maria Cavalcanti, o PAD é um dos programas mais bonitos exec…

PRÉ-CAMPANHA: MDB no corpo a corpo

Percorrendo casas de pessoas simples, como nunca deixou de fazer. O atual prefeito do Apodi Alan Silveira e seu vice Neilton Diógenes nesse período de pré-campanha estão firmes e fortes em seu projeto de reeleição.