Pular para o conteúdo principal

CERES: Cordelteca da UFRN abriga mais de dois mil títulos e promove cultura popular

Vinte quatro de novembro/ Foi lá na Universidade/ Um grande feito foi feito/ Que me deu felicidade/ criou-se uma Cordelteca/ Na maior tranquilidade/ .../ Agora muito contente/ Tenho aonde pesquisar/ Um ambiente sagrado/ para o Cordel estudar/ os poetas de Caicó/ Já podem comemorar

Fotos: Wallacy Medeiros. Espaço possui cerca de 2500 títulos que estão sendo
catalogados e já se consagra como um dos maiores acervos
de Cordel do Nordeste. Clique para ampliar.
Por Juliana Holanda

Cordelista potiguar Agostinho Francisco dos Santos sobre a inauguração da Cordelteca Poeta Djalma Mota da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Localizada no Centro de Ensino Superior do Seridó (Ceres), em Caicó, a Cordelteca é a única do Brasil que possui um Cordel explicando seu nascimento. O espaço possui cerca de 2500 títulos que estão sendo catalogados e já se consagra como um dos maiores acervos de Cordel do Nordeste. 

Há, inclusive, edições históricas das décadas de 1930 e 1940 que são consideradas o pontapé inicial para a criação da Cordelteca. As obras foram doadas à universidade pelo monsenhor Ausônio Tércio de Araújo, enquanto esteve na diocese de Caicó.

A maior parte dos livretos chegou à UFRN por meio de doações. Para ajudar na popularização do Cordel, o poeta homenageado Djalma Mota, por exemplo, doou mais de 600 títulos do seu acervo pessoal. “Houve doações de particulares e de instituições como a Academia Brasileira de Literatura de Cordel e a Associação de Trovadores do Seridó”, afirma o coordenador da Cordelteca e professor do Departamento de História do Ceres, Lourival Andrade Júnior.

Natural do Rio Grande do Sul, Lourival Júnior conta que só conheceu o Cordel em 2009, quando foi morar em Caicó, e se interessou tanto pelo gênero literário que baseou o pós-doutorado no tema. “O folheto de Cordel é uma fonte histórica extremamente importante. É um objeto que pode ser utilizado para entender a história, sobretudo nordestina”, destaca.

Outro coordenador da Cordelteca, o professor do Departamento de História do Ceres, Joel Carlos de Souza Andrade, conta que foi alfabetizado no interior da Paraíba, lendo cordéis em casa. “Meu envolvimento com o Cordel vem de longas datas. Devo meu letramento ao Cordel”, relembra.

Joel Andrade acredita que a Cordelteca é um espaço que interessa ao público em geral, além de cordelistas e de pesquisadores de todo o Brasil. “Nosso acervo possui obras variadas. Queremos incentivar a pesquisa sobre esse gênero literário que é tão importante para a cultura nordestina”, explica.

Apesar de inaugurada em novembro de 2016, o local precisa de reforma e os cordéis ainda não podem ser consultados pelo público externo. “Estamos tentando mudar o acervo para um lugar mais adequado. A ideia é que a Cordelteca seja transformada em um espaço de pesquisa e que as obras sejam utilizadas como material didático e como fonte histórica”, explica Lourival Júnior.

Djalma Mota, poeta que dá nome à Cordelteca, foi eleito por cordelistas da região do Seridó potiguar para ter seu nome imortalizado no espaço. A eleição também foi contada no cordel de Agostinho Francisco dos Santos: “Sem ninguém interferir/ O nome foi escolhido/ Poeta ‘Djalma Mota’/ Por sinal bem merecido/ No meio dos cordelistas/ Foi muito bem recebido/ Um poeta conhecido/ Do Cordel protagonista/ Na cidade de Caicó/ É o primeiro da lista/ Além de ser um poeta/ É também radialista/ É um grande cordelista/ Da arte é merecedor/ Na oficina de Cordel/ Nosso mestre e professor/ E nos braços da poesia/ Terá sempre o seu andor”.

Interessados em conhecer mais sobre o trabalho ou em realizar doações para a Cordelteca Poeta Djalma Mota da UFRN devem entrar em contato com o coordenador Lourival Andrade Júnior pelo e-mail: lourivalandradejr@yahoo.com.br.
Agência de Comunicação da UFRN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CURIOSIDADE: O sexo no mundo animal – tamanho do pênis

Na natureza, tamanho pode ser documento. A notícia que uma lula encontrada nas Ilhas Malvinas tem um pênis do comprimento do seu corpo causou certo espanto, mas ela está longe de ser exceção.

O homem Nesta proporção também se enquadra o homem. Em média, o tamanho médio dos pênis varia entre 12 e 15 centímetros em estado ereto, apesar de depender de diversos fatores como raça, biotipo, genética e tamanho da pessoa.
Portanto, não há uma definição específica para o tamanho do Pênis na nossa espécie. Segundo a enciclopédia científica, pênis apenas com 7 cm ou menos em estado de ereção são considerado pequenos.
A baleia-azul
A baleia-azul (Balaenoptera musculus), que chega a ter mais de 30 metros de comprimento, é considerada pelos cientistas a espécie mais bem dotada do reino animal, pelo menos em termos absolutos: o órgão sexual de um macho adulto atinge mais de 2 metros de comprimento -- mas isso significa apenas 7% do tamanho de seu corpo.
A Lula Na natureza, o tamanho do aparelho reprod…

PANDEMIA: Falece de covid-19 em Mossoró 3º Apodiense

Mais um apodiense faleceu vítima da COVID-19. Sidney (45), estava internado na UTI em Mossoró lutando pela vida. Foi bravo, mas foi vencido. Teve duas paradas cardíacas e não resistiu na segunda no final da tarde início da noite de hoje (22). Infelizmente. Muito triste.
Nossos pêsames aos familiares. Sidney foi o terceiro Apodiense morto pelo coronavírus. Deus proteja a nós todos.

CIÊNCIAS: Vale apena saber – Porque quando estamos gripados não sentimos o cheiro nem sabor das coisas?

Quando você está com gripe ou resfriados você quase não sente o cheiro das coisas. Quanto ao sabor é como se tivéssemos comendo palha. Mas será por que isso acontece?
Ao ficarmos gripados ou resfriados as células que formam a mucosa nasal produz excesso de muco (espécie de liquido pegajoso) na tentativa de diminuir a irritação causada pelos agentes causadores da infecção.
Dessa forma o excesso de muco dificulta a chegada das moléculas de odor, que se propagam no estado gasoso, até as células receptoras de olfato e com isso há uma diminuição nesse sentido.
Além disso, os próprios vírus afetam células olfatórias prejudicam ainda mais o funcionamento do olfato. Como o olfato interfere na identificação dos sabores esse sentido também fica prejudicado, daí você também não sentir o gosto.
É isso ai, repouso, boa alimentação e muito líquidos são fundamentais na recuperação contra gripes e resfriados. Agora você ficou sabendo por que não sentimos cheiro nem o sabor quando estamos com gripe e resf…