PMs pedem para sair da corporação por se acharem alvos Entre 2015 e 2016, houve um aumento de 69,5% no número de baixas voluntárias

RIO - Enquanto estavam na Polícia Militar, os ex-soldados X. e Y. Só pensavam em sair da fila. A cada notícia de um colega de farda morto, ambos tinham a sensação de que a posição deles estava cada vez mais próxima do que chamam de “fila invisível”. Os dois abandonaram a corporação com cinco anos de serviços. X. Largou a carreira e o país. Este ano, foi morar nos Estados Unidos. Y. Resolveu ficar no Rio, mas fez faculdade e foi atuar na área médica.

Sair da PM tem sido uma alternativa cada vez mais comum para policiais. Violência, má remuneração e desvalorização profissional são citadas pelos agentes como motivos que levaram a um aumento de 69,5% nas baixas da Polícia Militar entre 2015 e 2016, segundo dados fornecidos ao GLOBO pela própria corporação. Em 2015, foram 59 pedidos de baixa.

No ano passado, o número pulou para cem. Nesses dois anos, de acordo com a Secretaria de Planejamento, 2.919 servidores da PM se aposentaram. Desde 2012, nunca houve biênio com tantas aposentadorias.
— Há um descontentamento generalizado. Toda essa violência impacta na decisão dos policiais que saíram ou estão deixando a corporação, principalmente aqueles de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Muitos vieram com a ideia de que algo novo seria construído para a sociedade, mas se desencantaram ao ver colegas sendo baleados, morrendo — afirmou o ex-comandante da Polícia Militar, o coronel da reserva Ibis Teixeira.

Segundo ele, a morte da soldado Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos, na UPP Nova Brasília, no Complexo do Alemão, em julho de 2012, serviu de alerta e abalou a moral da tropa.

— Não vemos nada de concreto para reverter este quadro de violência. Isso causa desesperança. Os indicadores de criminalidade nos mostram que homicídios, roubos de rua, além das mortes decorrentes de intervenção policial (autos de resistência) vêm crescendo. O meu temor é que a vitimização dos policiais continue, assim como as mortes de inocentes. Quando se mata muito, fomenta-se atos de barbárie. Isso funciona como locomotiva para outros crimes — analisou Ibis.

O próprio comandante da PM, coronel Wolney Dias, tem repetido em enterros de policiais que a corporação perdeu mais de dois mil homens, por ano, nos últimos dois exercícios. Para agravar a situação do efetivo, das seis mil vagas que seriam preenchidas pelo concurso de 2014, só foram chamados 1.179 homens, ficando de fora 4.82.

Números da Secretaria estadual de Planejamento mostram ainda que a tropa de PMs, que chegou a ter 48,8 mil servidores em junho de 2014, caiu para 46,03 mil em junho deste ano. Há ainda os PMs afastados por problemas psicológicos. No ano passado, o número chegou a 1.400, de acordo com o Núcleo Central de Psicologia da corporação.

“NÃO SOU CORRUPTO"
Antes de decidir deixar a PM, X. Tentou fugir dos serviços de rua para atividades administrativas. CONTINUE LENDO...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

EM TEMPO: Negócios – Apesar do pouco tempo no mercado a San Valle já é sucesso em toda região

RECOMENDAÇÃO: Ministério Público recomenda que Prefeitura de Apodi cancele todos os convênios que possui com APAMI

Finalmente, o que dizer sobre nossa triste realidade?

TEMPO: Moradores registram formação de tempestade Supercélula no Paraná

DECLARAÇÃO: General Mourão diz que Temer faz ‘balcão de negócios’ para governar