“Ou nós nos unimos ou iremos todos perder”, afirma Ubiracy em protesto a favor do hospital de Apodi

Diante da problemática do possível fechamento dos hospitais regionais de Apodi e de Caraúbas, anunciado pelo Governo do Estado no último final de semana, o vereador de Felipe Guerra e coordenador da União dos Vereadores do RN (UVERN), Ubiracy Pascoal (PR), afirmou que é preciso união de toda a classe política para reverter esta situação.

“É o momento de unir todas as forças da região em defesa dos hospitais de Apodi e de Caraúbas. Ou nós nos unimos ou iremos todos perder”, destacou.

A afirmação foi feita durante protesto realizado na manhã desta terça-feira (11), em frente ao Hospital Regional Hélio Morais Marinho, em Apodi. A manifestação foi organizada pelos servidores da unidade e contou com a presença de representantes de todos os municípios circunvizinhos, sindicatos, estudantes, entre outros.

De acordo com Ubiracy Pascoal, que já foi servidor do hospital por sete anos, a unidade dispõe de uma ótima instalação e está muito bem localizada. Seu fechamento, portanto, seria o desperdício de toda uma estrutura que poderia ser utilizada por milhares de pessoas.

“É necessário que a sociedade perceba e que os deputados assumam que esta é uma responsabilidade de toda a região do Médio Oeste e não somente de um município. A nossa luta é dizer a região que nós não vamos cruzar os braços”, concluiu o vereador.

O protesto durou cerca de três horas e foi uma prévia de uma grande manifestação que será realizada no próximo dia 19 de julho no Centro da cidade. Na ocasião, os manifestantes irão interditar a BR – 405 por uma hora em repúdio a decisão do Governo do Estado.

Êba! Agência de Mídia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Repórter Wilson Oliveira me passou informações preocupantes sobre situação da maternidade Claudina Pinto

Nota de esclarecimento

Vereador Gilvan Alves doa um mês de salário e, consegue revitalizar Caixa D'água de comunidade do Góis

CHARTON AVISA: “Para desespero de quem não tem zelo com o dinheiro público continuarei determinado no meu papel fiscalizador”, avisa Charton