Vereador Charton Rego entra com pedido de processo administrativo contra comissionados da gestão

Reprodução CMA.
O vereador Charton Rego entrou com um pedido ao executivo municipal que abra processo administrativo contra esses servidores comissionados em destaque no documento em anexo.

O motivo foi devido à conduta pregressa nas redes sociais. Outros vereadores: Gilvan Alves, Chico de Marinete, Genivan Varela seguiram o requerente Charton Rego.

De fato, tem funcionário comissionado da PMA que está muito além dos limites. A propósito, eu mesmo ia abrir um processo na justiça contra um desses comissionados, que por sinal já não é mais réu primário, por fazer chacota do meu defeito físico (os meus olhos vesgos), devido matérias que fiz aqui no blog.

Infelizmente perdi as fotos, que eram as provas. Olha muitos comissionados dessa gestão estão esquecendo que são funcionários públicos. Um absurdo. Se o MP local tivesse prestando um trabalho razoável já haviam inclusive deles com problemas na justiça. 

Mas faz bem o vereador Charton. Agora, precisa ir até o final viu vereador Charton. Pensem num vereador de oposição que precisamos tirar o chapéu para ele. O que ele prega e faz. Tem atitude. Firme. Forte. Contundente.

Diferentes dos outros de oposição. Alias, por falar em aposição só vejo dois vereadores com atitude de oposição nessa atual legislatura nesse momento: Charton Rego e Gilvan só em partes, apenas. Tenho gostado também de Paulo Telécio. 

O resto é só elegância. Inclusive, muitos coniventes com erros absurdos que estão acontecendo. Quase todos os vereadores (a) que se queijam de ser oposição na prática não mostram essa atitude. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Repórter Wilson Oliveira me passou informações preocupantes sobre situação da maternidade Claudina Pinto

Nota de esclarecimento

Vereador Gilvan Alves doa um mês de salário e, consegue revitalizar Caixa D'água de comunidade do Góis

CHARTON AVISA: “Para desespero de quem não tem zelo com o dinheiro público continuarei determinado no meu papel fiscalizador”, avisa Charton