PSICOBIOLOGIA: Pesquisa avalia comportamento de cavalos que participam de vaquejada

Fotos: Anastácia Vaz. A metodologia de testes de viés cognitivo
foi utilizada para aferir o estado emocional de cavalos
comuns (Equus caballus) e  foi aplicada em 21 animais
adultos, todos alocados em um hotel para cavalos e
todos submetidos a treinos para campeonatos
de vaqueijada.
Por Marcos Neruber

Estudos sobre o bem-estar de animais têm demonstrado que diversas espécies, em condições emocionais adversas, apresentam deficiências de aprendizagem, memória e vieses cognitivos, no sentido de julgar estímulos ambíguos como estímulos negativos. Entretanto, a maioria desses estudos desconsidera a influência da personalidade do animal na hora da realização dos testes.

Com base nessas informações, a pesquisadora Maria Louyse dos Santos Lopes iniciou uma pesquisa para de entender o comportamento de cavalos que participam de campeonatos de vaquejada. O estudo é desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia, do Centro de Biociências (CB) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Umas das preocupações iniciais da pesquisadora foi buscar compreender como esses animais, os cavalos, reagem quando são colocados em situação de estresse durante a participação em campeonatos de vaquejada. Considerando que a vaquejada está entre as tradições culturais do Nordeste e sua prática é frequente e intensa, a pesquisa considera como objetivos principais preservar o respeito à tradição e avaliar se ela não compromete o bem-estar dos animais que participam dessa modalidade de competição.

Maria Louyse destaca que seu interesse pelo tema decorre de sua vivência, e o que a levou à pesquisa sobre o comportamento dos cavalos foi a curiosidade que alimenta pelo animal desde a infância. “Sempre gostei de cavalos e sempre acompanhei vaquejadas”, revela.  Assim, explicou ela, quando entrou no Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia, vários temas lhe foram apresentados sobre comportamento e ela optou por estudar o comportamento do cavalo, “uma escolha que surpreendeu meus colegas de curso, porque esse animal é pouco pesquisado”.

Maria Louyse dos Santos Lopes: “Sempre gostei de cavalos e sempre
acompanhei vaquejadas”.
A professora Renata Gonçalves Ferreira, professora do Departamento de Fisiologia e orientadora da pesquisa, ressalta a importância do estudo. Ela acrescenta que conhecer o estresse ao qual o cavalo é submetido num evento como a vaquejada pode contribuir para o cuidado e a atenção com o animal, tanto por parte dos corredores como dos realizadores dessas competições. “É de suma importância estudar cada vez mais esse animal. Não apenas pelo fato de numa competição o desempenho dele estar ligado a fatores fisiológicos, mas também por envolver aspectos emocionais, dadas as condições a que são submetidos”. Ela também faz questão de destacar que “o intuito da pesquisa não é criticar a vaquejada, mas sim mostrar formas saudáveis de tratamento para os animais que dela participam”.

Teste e resultados
O estudo realizado foi conduzido com 21 animais adultos, sendo 11 machos e 10 fêmeas, todos alocados em um hotel para cavalos e todos submetidos a treinos para atividades esportivas, como campeonatos. Segundo Maria Louyse, “nesse estudo aplicamos a metodologia de testes de viés cognitivo para aferir o estado emocional de cavalos comuns (Equus caballus) que participam de campeonatos de vaquejada, considerando o fator estressante para os animais”.

A pesquisadora explica que foram testadas as hipóteses de que animais em pior estado emocional, indicado a partir dos testes de viés cognitivo, apresentam pior desempenho em tarefas de aprendizagem de discriminação de local, e que o viés cognitivo é influenciado pela personalidade do animal. Ela acrescenta que a pesquisa verificou que “os perfis pessimista e otimista foram previsores da aprendizagem e que animais mais sociáveis com humanos tiveram melhor desempenho na aprendizagem”.

Sobre os resultados, acrescentou: “O trabalho mostrou que a metodologia de viés cognitivo é uma ferramenta fácil e de rápida aplicabilidade, demonstrando ser capaz de aferir aspectos emocionais relevantes para a aprendizagem e o bem-estar dos animais. No entanto, a personalidade do animal precisa ser levada em conta para evitar falsos negativos”, concluiu.

Vaquejada 
A vaquejada está entre as atividades culturais mais tradicionais da região Nordeste e consiste numa competição entre corredores, na qual dois vaqueiros montados a cavalo têm de derrubar um boi dentro dos limites de duas faixas de cal, marcadas no Parque de Vaquejada. Por envolver um grande número de pessoas na sua realização, o evento apresenta importância não apenas do ponto de vista cultural, mas também importância econômica e social.

Nas últimas décadas, a vaquejada ganhou notoriedade por sua importância econômica e também por despertar a atenção e questionamentos por parte de ativistas dos direitos animais, os quais alegam que a vaquejada pode provocar maus-tratos aos animais.
Agência de Comunicação da UFRN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FESTA: Rio Apodi amanheceu de barreira a barreira, lagoa do Apodi tomando muita agua

EITA PIULA: Ex-secretário de turismo Júnior Costa desmente matéria da assessoria de Alan e mostra provas

NATUREZA: Praticamente 10 anos depois a Lagoa do Apodi volta a ter um grande volume d’água