MISTÉRIOS DO MUNDO: Pombos conseguem passar conhecimento de geração para geração

Reprodução.
Capacidade de reunir e transmitir o conhecimento ao longo das gerações era uma capacidade que todos achavam ser exclusividade da espécie humana.

Mas pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, descobriram que os pombos também possuem essa habilidade.

Eles realizaram um estudo para testar se os pombos podem gradualmente melhorar suas trajetórias de voo ao longo do tempo. O experimento consistia em ensinar um caminho especifico a dez pombos-correio e, aos poucos, ir substituindo aqueles que já estavam treinados por outros que não sabiam de nada.

Dessa forma, foi possível conferir que os mais experientes iam ensinando os “calouros” a percorrer o caminho.

A descoberta, publicada na “Nature Communications” sugere que, com o passar do tempo, o aluno realmente se torne o professor. O desempenho dos pombos melhorou de forma consistente ao longo das gerações, o que, para o cientistas, mostrou a transferência de conhecimento.

A capacidade de reunir, transmitir e melhorar o conhecimento ao longo das gerações é conhecida como cultura cumulativa. Até então, os seres humanos e alguns outros primatas eram as únicas espécies que se pensava serem capazes disso.

Em um determinado momento, os cientistas pensavam que apenas os seres humanos tinham a capacidade cognitiva para acumular o conhecimento em uma sociedade. Nosso estudo mostra que os pombos também contam com essa habilidade, pelo menos na medida em que são capazes de melhorar progressivamente uma questão comportamental ao longo do tempo”, disse Takao Sasaki, pesquisador responsável pelo experimento ao lado de Dora Biro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Repórter Wilson Oliveira me passou informações preocupantes sobre situação da maternidade Claudina Pinto

Vereador Gilvan Alves doa um mês de salário e, consegue revitalizar Caixa D'água de comunidade do Góis

Nota de esclarecimento

CHARTON AVISA: “Para desespero de quem não tem zelo com o dinheiro público continuarei determinado no meu papel fiscalizador”, avisa Charton