CARNE FRACA: Esquema de frigoríficos abastecia PP e PMDB

Segundo delegado, é possível presumir que líder do esquema tenha ocupado cargos públicos de relevância mediante compensações para atores políticos

O delegado da PF Maurício Moscardi Grillo, durante coletiva
de imprensa da Operação Carne Fraca (Vagner Rosário/VEJA.com)
Durante a entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira, em Curitiba, o delegado da Polícia Federal Maurício Moscardi Grillo apontou que parte da propina desviada ia para dois partidos políticos, o PMDB e o PP. Ele alegou que não é possível afirmar nomes de políticos, mas que os autos das investigações da Operação Carne Fraca “deixam claro” esse vínculo.

O ex-superintendente regional do Ministério da Agricultura, Daniel Gonçalves Filho, foi citado por Grillo. Segundo o delegado, é possível presumir que ele, apontado como um dos líderes do esquema criminoso, tenha ocupado cargos públicos de relevância mediante compensações para atores políticos que eventualmente o sustentassem nessas funções.

O esquema revelado pela Operação Carne Fraca mostra que as maiores empresas do mercado de carnes no Brasil, a BRF e a JBS, corrompiam intencionalmente fiscais do Ministério da Agricultura para a aprovações de certificados de qualidade de produtos que não tinham as condições mínimas, por lei, de serem comercializados. Os delitos vão de produtos vencidos, reembalados e com rótulos adulterados, até adulterados, com carnes residuais que deveriam ser descartadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vereador Charton Rêgo propõe inclusão do ensino de LIBRAS em escolas do Município

POLICIAL: Mais um crime de homicídio em Apodi

DENUNCIA GRAVE CONTRA O PREFEITO É PROTOCOLADA

Prefeito Alan rebate denúncia sobre suposta contratação irregular e destaca: “ele vai ter que provar na Justiça”

PRESTAR INFORMAÇÕES FALSAS É CRIME E USO DA MÁ FÉ NA GESTÃO PÚBLICA