Delatores da Andrade Gutierrez afirmaram que conselheiros do TCSP recebia propina para fazer vistas grossas

Reprodução. Obras na linha 15 do monotrilho, na zona leste
da capital
Uma reportagem da folha de São Paulo informa que um executivo e um ex-diretor da Andrade Gutierrez afirmaram em negociação de acordo de delação com a Operação Lava Jato, que a empreiteira pagava propina para que o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo não apontasse problemas em licitações e contratos de obras, sobretudo os do Metrô.

O órgão seria o responsável por decidir se as licitações e contratos do governo paulista são regulares ou não. Um dos relatos diz que a empresa pagava o correspondente a 1% do valor do contrato que estava sob análise do tribunal para Eduardo Bittencourt Carvalho, ex-conselheiro do órgão.

O valor era entregue em dinheiro vivo para representantes do conselheiro, segundo um candidato a delator.

De acordo com a matéria, Bittencourt foi afastado do tribunal pela Justiça no final de 2011 sob a acusação de enriquecimento ilícito: ele acumulou um patrimônio de R$ 50 milhões quando era conselheiro, incompatível com o salário que recebia, segundo a acusação do Ministério Público aceita pela Justiça. (CLIQUE AQUI e leia a matéria na integra).

Nossa rapaz. Pagamos altos salários a esses juízes, ministros, conselheiros, promotores ou seja quem tiver enrolado, para ajudar a combater a corrupção nesse país. Eles já ganham dinheiro para juntar com os pés e ainda vão se corromper? Esse país é algo perdido mesmo.

Agora surgir a duvida: será que isso ocorre ou ocorreu só lá em São Paulo? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Repórter Wilson Oliveira me passou informações preocupantes sobre situação da maternidade Claudina Pinto

Vereador Gilvan Alves doa um mês de salário e, consegue revitalizar Caixa D'água de comunidade do Góis

Nota de esclarecimento

CHARTON AVISA: “Para desespero de quem não tem zelo com o dinheiro público continuarei determinado no meu papel fiscalizador”, avisa Charton