Pular para o conteúdo principal

CIÊNCIAS E A SAÚDE: Saúde Mental - Psicóloga orienta sobre a escolha do livro adequado para as crianças

Psicóloga Ana Livia
Por Magnos Alves

O comerciante Joaquim Anselmo costuma presentear o filho Paulo Henrique, hoje com 12 anos, com livros desde os 10 anos de idade. O incentivo ajudou a desenvolver o interesse da criança pela leitura e deve ser uma prática comum a todos os pais. Mas é preciso observar alguns detalhes na hora da escolha do livro para os pequenos.

A psicóloga Anna Lívia Soares, do Hapvida Saúde, explica que a escolha do livro depende da faixa etária da criança.

De acordo com Jean William Fritz Piaget, psicólogo suíço, quando a criança entra na fase dos 2 aos 7 anos, ela é muito visual e busca uma leitura mais ilustrativa, com livros coloridos e muitos desenhos. Anna Lívia observa que “muitas crianças não sabem ler e criam uma nova história a partir das figuras”, destaca.

Na hora da compra, é preciso prestar atenção na qualidade do livro, no conteúdo, nas ilustrações, no enredo da história, se é uma história confusa ou triste, ou se é alegre ou se pode influenciar de alguma forma na vida da criança.

Temas de terror, de violência, são exemplos de literatura não recomendáveis para crianças menores. “São temas que estão em desacordo com o desenvolvimento cognitivo, afetivo e social da criança”, alerta a profissional.

O conteúdo de alguns livros pode influenciar de forma negativa na formação das crianças. Por isso, os pais devem conhecer primeiro o conteúdo. “Quando a criança lê algo que a deixa perturbada, que a faz perder o sono, é um tipo de comportamento sugestivo de ansiedade, de medos que podem estar associados a alguma leitura feita e, por isso, manifestou esses sintomas. Por isso, é de extrema importância que os pais precisem estar presentes e, aos poucos, irem desconstruindo esses sintomas da mente da criança. Podem evitar por meio da supervisão da leitura, fazendo uma leitura antecipada do livro para saber se é adequado, avaliar a reação da criança ao ler o livro com ela, bem como as fantasias que a criança traz no ato da leitura”, orienta a psicóloga.

A profissional acrescenta que, além dos pais, as próprias editoras dos livros deveriam ter mais cuidado com o conteúdo que disponibiliza para público infantil, levando em consideração todos esses aspectos sociais, culturais, éticos, religiosos, e a faixa etária da criança.

Assessoria de Imprensa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

Vereador Charton Rêgo propõe inclusão do ensino de LIBRAS em escolas do Município

Aconteceu nesta noite de terça-feira 14/11/2017 as 19hs na sede da Câmara Municipal de Apodi-RN, uma reunião convocada pelo Vereador da Política com Seriedade Charton Rêgo. Alunos apodienses do Curso de Libras (UFERSA, Campus Caraúbas) e membros da Comunidade Surda de Apodi, foram convidados para debater sobre o Projeto de Lei 136/2017 de autoria do Vereador Charton Rêgo que propõe a inclusão da Língua Brasileira de Sinais no currículo escolar no âmbito municipal.
A PL (Projeto de Lei) que na sessão desta quinta-feira 16/11/17 será encaminhada as comissões, foi apresentada ao grupo que compareceu a reunião. Se aprovada e posteriormente sancionada pelo Executivo, a partir de 2018 a Secretaria de Educação terá obrigatoriedade de garantir acesso das pessoas surdas à comunicação, à informação e à educação, como rege a legislação federal que determina que uma série de medidas sejam tomadas pelos Estados e Municípios que visem tais garantias.
A PL ainda trata sobre a promoção de cursos de c…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio