Pular para o conteúdo principal

Todos são iguais perante a lei. Menos Renan. Os militares. Os deputados...

Reprodução.
A reforma da previdência prevista pelo governo Temer é para quem não tem lobby. Não mexe com as aposentadorias especiais de políticos, porque eles têm lobby. Militares ficaram de fora porque têm lobby. Você e eu não ficamos de fora.

Renan Calheiros é réu. Mas pode ficar como presidente do Senado, mesmo não podendo assumir a Presidência da República interinamente – uma das atribuições do presidente do Senado.

Renan Calheiros desrespeitou uma ordem judicial na cara dura. A lei diz que quem desrespeita ordens judiciais no Brasil pode ser preso. Renan não foi preso. O Judiciário preferiu mudar a ordem judicial que ele desrespeitou. Assim a ordem judicial não mais desrespeitava Renan.

Desrespeite você uma ordem judicial do STF para ver o que te acontece. Veja qual é a chance de eu desrespeitar o Supremo e o Supremo decidir mudar sua ordem judicial para ela se conformar à minha desobediência. Mas Renan Calheiros tem lobby.

Renan pôde usar um avião da FAB para fazer transplante de cabelo. Era uma questão de segurança nacional. A lei e a ordem dependiam disso. Não é possível ter um presidente do Senado careca, disseram as autoridades. Não é possível ter um presidente do Senado que não fosse Renan. Logo, ele não podia ser careca.

Têm lobby também os 513 deputados federais e os 81 senadores. Têm lobby os 11 ministros do Supremo e os ministros escolhidos pelo presidente da República. Por isso, eles só são julgados pelos STF, seus colegas de lobby.

Políticos com mandato não foram presos na Lava Jato Eles têm lobby. Os que foram presos foram os que perderam o mandato e perderam o direito de ser julgados pelo Supremo Tribunal Federal, composto de 11 ministros com direito a prerrogativa de foro.

O Brasil tem no início de sua Constituição um artigo dizendo que todos são iguais perante a lei. Mas no Brasil, quem tem a responsabilidade de interpretar a Constituição são 11 ministros do Supremo Tribunal Federal – que não podem ser julgados por mais ninguém. Só pelos colegas de STF, que em tese são iguais a todos os brasileiros perante a lei.

Lula disse uma vez que Sarney não podia ser tratado como um cidadão comum. Renan também não. Nem os militares. Nem qualquer um que tenha lobby.

O engraçado de tudo isso é que no Brasil o lobby não é legalizado. Pelo menos no papel. Ele não existe na lei. Porque se existisse na lei todos teriam que ser iguais perante o lobby. E isso, segundo quem tem lobby, não pode ser.

Seria a anarquia. E as instituições estão aí para impedir a anarquia. E manter cada um no seu lugar, oras.

Comentários

  1. Quem estiver perante a Lei, será igual. Os desiguais estão acima da Lei. É assim na terra em que Cabral comeu as índias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

Vereador Charton Rêgo propõe inclusão do ensino de LIBRAS em escolas do Município

Aconteceu nesta noite de terça-feira 14/11/2017 as 19hs na sede da Câmara Municipal de Apodi-RN, uma reunião convocada pelo Vereador da Política com Seriedade Charton Rêgo. Alunos apodienses do Curso de Libras (UFERSA, Campus Caraúbas) e membros da Comunidade Surda de Apodi, foram convidados para debater sobre o Projeto de Lei 136/2017 de autoria do Vereador Charton Rêgo que propõe a inclusão da Língua Brasileira de Sinais no currículo escolar no âmbito municipal.
A PL (Projeto de Lei) que na sessão desta quinta-feira 16/11/17 será encaminhada as comissões, foi apresentada ao grupo que compareceu a reunião. Se aprovada e posteriormente sancionada pelo Executivo, a partir de 2018 a Secretaria de Educação terá obrigatoriedade de garantir acesso das pessoas surdas à comunicação, à informação e à educação, como rege a legislação federal que determina que uma série de medidas sejam tomadas pelos Estados e Municípios que visem tais garantias.
A PL ainda trata sobre a promoção de cursos de c…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio