Quem é réu na linha de sucessão da presidência da república do Brasil hem?

Reprodução.
Na última terça-feira, 29, em debate na Ordem dos Advogados do Brasil, Renan Calheiros (PMDB/AL) definiu o modelo político brasileiro como “caquético”. Disse mais. “É hora de fazer mudanças radicais em um sistema que está falido e fedido.”

Pois então muito bem. Cerca de 48 horas depois de suas hipócritas afirmações, o Supremo Tribunal Federal confirmou o diagnóstico. Mandou Renan para o banco dos réus, a Suprema Corte sinalizou que o Senado brasileiro é presidido por um político um tanto quanto fedido. Caquético, como ele mesmo afirmou.

Acusam-no de desviar verbas públicas em proveito particular. O caso envolve o recebimento de propinas de uma empreiteira, para custear a pensão de uma filha que o senador teve fora do casamento. Hoje o político peemedebista é protagonista de 12 processos judiciais.

Agora veja só os senhores. Renan quer por que quer aprovar a lei sobre abuso de autoridades antes do natal. A lei que trata desse tema é dos idos de 1965. Renan sustenta ideia que o texto precisa de modernização. Sabemos que Renan é parlamentar desde que estava no útero da mãe – os alagoanos são incapazes de tirar o seu mandato apesar dos pesares. Renan Canalha, aliás, Calheiros, só agora lançado no cadeirão da lava jato, descobriu que essa lei está velha e precisa ser atualizada.

Renan é hoje uma das maiores aberrações no sistema político apodrecido do Brasil. Ele é uma prova irrefutável que a anormalidade se transformou na mais absoluta normalidade no submundo da política nesse país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Após falta de atendimento pelo poder público gestante no quinto mês de gestação recorre ao Vereador Charton Rego

RECOMENDAÇÃO: Ministério Público recomenda que Prefeitura de Apodi cancele todos os convênios que possui com APAMI

EM TEMPO: Negócios – Apesar do pouco tempo no mercado a San Valle já é sucesso em toda região

Sem ter o que comemorar, Prefeitura de Apodi encerra ano entregando pintos