Pular para o conteúdo principal

Estamos preparados para a visita de extraterrestres?

Reprodução.
Antes do iminente lançamento do filme A Chegada nos cinemas de metade do mundo, o Space.com conversou com Seth Shostak sobre o impacto da humanidade ser visitada por uma civilização extraterrestre. A conclusão dele é que não estamos preparados para isso.

Conversar com esse astrônomo, o rosto mais conhecido do SETI Projects, nos causou um pouco de inquietação. Shostak não tem papas na língua. Há alguns anos, ele culpou os políticos pelo nosso isolamento galáctico, voltando a fazer isso nessa ocasião. Segundo ele, nosso mundo não tem sequer um líder com o qual os alienígenas podem negociar, o que desencoraja a comunicação.

Shostak acredita que uma visita alienígena ocorreria em ondas, por exemplo, colocando várias naves simultaneamente em Moscou, Pequin, Nova Iorque, Londres, Tóquio, Nova Deli e São Paulo (para citar algumas das grandes cidades). Nesse cenário, a humanidade não estaria pronta para fazer causa comum contra o perigo global. Em vez disso, haveria uma concorrência internacional para ver quem adquire mais conhecimento (intenções, armas, tecnologia) mais rapidamente.

Shostak afirma que os astrônomos têm protocolos sobre como agir no caso de um sinal de rádio promissor surgir do espaço, embora os russos afirmem que algo assim já ocorreu há alguns meses. Um exemplo claro da competição da qual falamos no parágrafo anterior. Portanto, tendo em conta o que ocorreu no passado, Shostak está cauteloso sobre a implementação de protocolos internacionais.

Ele também acredita que o governo americano não tenha protocolos para a visita de uma civilização alienígena, mas quem sabe o que os militares têm planejado no Pentágono durante todos esses anos? Nas décadas de 20 e 30, eles criaram um plano de invasão ao Canadá, caso entrassem em guerra com o Reino Unido.

O que é mais preocupante, no entanto, são nossas chances de sobreviver a uma invasão alienígena hostil, avalia Shostak. “Se eles são capazes de atravessar a galáxia, sua tecnologia seria muito mais avançada do que a nossa”. A desigualdade do confronto seria algo semelhante a uma batalha entre as legiões romanas e um exército moderno.

Em termos de histeria coletiva, que certamente poderia ocorrer em um evento do tipo, Shostak acredita que o impacto psicológico seria tremendo. Mas será que veríamos vandalismo e motins em nossas cidades. A resposta dele foi um pouco indecisa: “teríamos que esperar para ver”.

Esperamos não ter que descobrir o que aconteceria caso uma enorme nave alienígena pousasse no nosso planeta. Caso aconteça, vamos torcer que os extraterrestres sejam pacíficos e tenham interesses astrobiológicos apenas.

Comentários

  1. Eu estou preparado. Há sempre água na geladeira para receber as visitas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

Vereador Charton Rêgo propõe inclusão do ensino de LIBRAS em escolas do Município

Aconteceu nesta noite de terça-feira 14/11/2017 as 19hs na sede da Câmara Municipal de Apodi-RN, uma reunião convocada pelo Vereador da Política com Seriedade Charton Rêgo. Alunos apodienses do Curso de Libras (UFERSA, Campus Caraúbas) e membros da Comunidade Surda de Apodi, foram convidados para debater sobre o Projeto de Lei 136/2017 de autoria do Vereador Charton Rêgo que propõe a inclusão da Língua Brasileira de Sinais no currículo escolar no âmbito municipal.
A PL (Projeto de Lei) que na sessão desta quinta-feira 16/11/17 será encaminhada as comissões, foi apresentada ao grupo que compareceu a reunião. Se aprovada e posteriormente sancionada pelo Executivo, a partir de 2018 a Secretaria de Educação terá obrigatoriedade de garantir acesso das pessoas surdas à comunicação, à informação e à educação, como rege a legislação federal que determina que uma série de medidas sejam tomadas pelos Estados e Municípios que visem tais garantias.
A PL ainda trata sobre a promoção de cursos de c…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio