Sonegação de bandas pode ser de R$ 500 mi, diz PF; Aviões é investigado

Polícia cumpre mandados de busca e apreensão em enscritório
da A3, em Fortaleza (Foto: G1)
As fraudes no Imposto de Renda investigadas pela Polícia Federal (PF) e a Receita em um dos maiores grupos empresariais de forró do país podem chegar a R$ 500 milhões, segundo divulgou a PF em coletiva nesta terça-feira (18). Pelo menos quatro bandas administradas pela A3 Entretenimento são investigadas, entre elas a Aviões do Forró.
O grupo alvo da operação "For All", deflagrada nesta manhã, é responsável por famosas bandas de forró e casas de show no Ceará. Segundo a PF, as bandas declaravam apenas 20% do que ganhavam.

Aviões do forró
Os vocalistas Xand e Solange Almeida foram ouvidos na sede da PF, em Fortaleza. Segundo a polícia, eles não foram indiciados formalmente, apenas prestaram esclarecimentos. Os empresários Isaías Duarte e Carlos Aristides, do grupo A3 Entretenimento, também foram levados para prestar informações na PF. O G1 entrou em contato com a A3, mas recebeu a informação de que a empresa não iria comentar o assunto. (Veja acima o vídeo da TV Diário do momento em que Solange deixa a PF por volta do meio-dia). Ao G1, por e-mail, a banda Aviões do Forró informou "que está à disposição da Polícia Federal e da Justiça e que colaborará com todos os questionamentos em relação à operação".

A banda Aviões do Forró informou que a agenda de shows do grupo segue inalterada.

Solange Almeixa e Xand viajam nesta terça-feira para fazer um show na cidade de Floriano (PI). Na quarta-feira (19) a banda retorna ao Ceará, onde faz show no município de Lavras da Mangabeira, a cerca de 340 km de Fortaleza.

O esquema
A delegada PF Doralucia Oliveira explicou que "causou estranheza" quando foram analisados os valores médios dos cachês das bandas, a quantidade de shows realizados e divulgados em agenda pela internet, e os valores declarados ao Imposto de Renda.

As investigações são relativas aos anos de 2012 e 2014. "Os contratos eram feitos com 20% do valor efetivo, e o resto circulava por fora com valor em espécie", informou a delegada. Somente com relação às bandas, a sonegação seria em torno de R$ 121 milhões. Os alvos são investigados por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, associação criminosa e crime contra a ordem tributária.

Foram cumpridos 32 mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é levada a depor e depois é liberada), sendo 26 de pessoas jurídicas e 6 de pessoas físicas. A PF apreendeu 163 bens imóveis, além de 38 veículos de pessoa física e 37 de pessoas jurídicas.

A Polícia Federal disse ainda que vai abrir "ampla fiscalização em pessoas físicas e jurídicas para, a partir daí, materializar os valores que compõem a sonegação". Há apenas um mandado sendo cumprido na Paraíba; os demais são no Ceará.

Comentários

  1. Esta banda pertence a pessoas que falam mal dos políticos e dos corruptos. Pelo divulgado pela PF, trata-se de quadrilha de sonegadores e de criminosos que se escondem por trás da diversão alheia. Você que compra CD, DVD dessa banda, que vai aos shows, lembre-se que sua participação favorece a essa gente criminosa. Corra que a policia vem aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca esquecendo de lembrar que todos são inocentes antes que se prove o contrário né amigo Fábio Neri.

      Mas, de qualquer forma, fiquei muito decepcionado ao me deparar com um noticias dessas sobre um banda que tano gosto e admiro.

      Excluir
  2. Tome nota: vem aí a Lava Jato das Bandas. Vamos ver bandas virarem quadrilhas antes do São João.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

EM TEMPO: Negócios – Apesar do pouco tempo no mercado a San Valle já é sucesso em toda região

RECOMENDAÇÃO: Ministério Público recomenda que Prefeitura de Apodi cancele todos os convênios que possui com APAMI

Finalmente, o que dizer sobre nossa triste realidade?

TEMPO: Moradores registram formação de tempestade Supercélula no Paraná

DECLARAÇÃO: General Mourão diz que Temer faz ‘balcão de negócios’ para governar