PRETO: Sem dinheiro em caixa, Robinson estuda propor parcelamento do duodécimo a MP, AL, TCE e TJ

Medida segue a adotada pelo governador de Mato Grosso, Pedro Taques, que assinou Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público para parcelamento dos repasses.

Reprodução.
Por Júlice Gomes

Sem dinheiro em caixa devido à crise financeira que atinge os estados e o País, o governador Robinson Faria (PSD) estuda propor aos órgãos do Estado – Ministério Público, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas e Assembleia Legislativa – um parcelamento do duodécimo, que no mês passado, no RN, somou R$ 126 milhões.

Robinson está em viagem a Brasília, em mais uma tentativa de audiência com representantes da área econômica do governo Michel Temer. O maior problema do Estado, hoje, é financeiro: não há recursos para pagar a folha de pessoal. E preocupa o repasse do duodécimo, que poderá atrasar.

Apesar disso, 10% dos servidores ainda não receberam o salário referente ao mês de setembro. Apenas os servidores que ganham até R$ 5 mil foram contemplados com o vencimento.

Para fazer frente às necessidades de caixa, o governo intensifica ações para aumentar a arrecadação, como, por exemplo, o novo Refiz (benefício dado a algumas empresas).

Robinson pretende ter uma reunião com os órgãos dos poderes para mostrar a situação e propor a divisão da conta com os demais poderes. Em Mato Grosso, o governador Pedro Taques assinou um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com os poderes.

PARCELAMENTO
No acordo do Mato Grosso, ficou estabelecido que, do montante de R$R$ 278.550.192,46 devidos, referente aos meses de julho e agosto deste ano, 50% serão pagos ainda este ano, até 31 de novembro de 2016.

A outra metade será registrada no balanço do exercício de 2016 como direito a receber, dividida em seis parcelas iguais, pagas a partir de janeiro de 2017 e quitadas até o último dia útil de cada mês. Representantes do Executivo, Legislativo, Judiciário, TCE e MP assinaram o acordo.

No mês de julho atrasamos os repasses aos poderes porque não tínhamos dinheiro em caixa, sob pena de atrasarmos os salários de todos os servidores. Esse acordo mostra a maturidade dos presidentes Paulo da Cunha, do Tribunal de Justiça; Paulo Prado, do Ministério Público; Guilherme Maluf, da Assembleia Legislativa; e Antonio Joaquim, do Tribunal de Contas do Estado, aqui representado pelo conselheiro Valter Albano da Silva”, disse o governador Pedro Taques em seu pronunciamento, lembrando que hoje 15 estados da federação estão com o pagamento dos salários atrasado.

Comentários

  1. Até penso que numa medida de contribuição para a sociedade, esses agentes públicos TOP, optassem pela redução de 30% sobre seus vencimentos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Após falta de atendimento pelo poder público gestante no quinto mês de gestação recorre ao Vereador Charton Rego

RECOMENDAÇÃO: Ministério Público recomenda que Prefeitura de Apodi cancele todos os convênios que possui com APAMI

Gestão bate meta e cumpre 26% das promessas de campanha em menos de um ano em Apodi

EM TEMPO: Negócios – Apesar do pouco tempo no mercado a San Valle já é sucesso em toda região