Pular para o conteúdo principal

Apodi e a questão do seu resíduo sólido (parte I)

Questões passam por melhoria no cronograma de
recolhimento dos resíduos. 
A questão dos resíduos sólidos (lixo) em Apodi. Como esse assunto rendeu o que falar ao longo desses quatro últimos anos. “A cidade está suja, um lixo”. Frases semelhantes a essa foram ouvidas a exaustação.

As questões dos resíduos sólidos precisam ser revistas sim em Apodi. Isso é fato. A origem para esse problema abrange uma alta e complexa gama de variantes. São tantas. Citemos algumas delas?

Uma primeira: Melhorias no cronograma de recolhimento dos resíduos sólidos da parte da gestão municipal. Precisa ser relampejada, melhor pensada, não tenhamos dúvidas que deixa a desejar.

Um segundo problema aqui em Apodi passa por indivíduos de má índole. Como assim? Querem sujar mesmo as ruas para prejudicar o nome dos gestores em nome de um partidarismo sujo. Por incrível que pareça. Aquela máxima de quanto pior melhor. Como essa questão piorou nos últimos quatro anos. 

Crime contra o meio ambiente em nome de um partidarismo
sórdido. Clique para ampliar. 
Veja o exemplo acima. Em pleno dia de domingo, um indivíduo colocou duas sacolas de lixo para fora. E olhem o local que o mesmo colocou: “bem na borda de um monte de entulho de uma construção”. O primeiro carro que passou, estourou a sacola. Vualá!!! Game over. Mais um ponto para rixa política de nossa cidade.

Isso quando não botam sacolas de lixo para fora, dois ou três dias antes do caminhão que recolhe passar, com lixo misturado a vísceras de animais dentro. Cães e gatos de ruas estouram tudo em questão de tempo. Nesse caso, culpa da gestão?  

Surgimento de novos Bairros piorou a questão.
Clique para ampliar.

Um terceiro grande problema com relação ao resíduo sólido passa pelo crescimento da cidade. Com esses projetos da minha casa minha vida, a cidade do Apodi dobrou seu tamanho nos últimos quatro anos. Novos bairros surgiram em questão de dois três anos para as bandas do bacurau I, para os lados do bairro IPE o portal da Chapada, um novo bairro surgiu para o lado sul da avenida Marechal Floriano – o pequé. Outro bairro surgiu no parque de Vaquejada.

Ao mesmo tempo que o tamanho do perímetro urbano quase dobrou, o quadro de funcionários da prefeitura, além de envelhecer diminuiu, piorando situação. Essa é um quarto problema.  

Quinto: além disso, 99% dos comerciantes do Apodi não tem depósito em seus comércios para condicionar o lixo até o recolhimento, se desfazendo diariamente do lixo nas ruas enchendo-as de lixo (clique aqui e veja matéria relacionada).

Enfim. É uma gama grande de grandes problemas difícil de ser solucionada seja qual for a gestão que tiver no poder. Soluções? Sim. Podemos listar algumas para amenizar a situação do lixo em Apodi. Mas, isso, é assunto para próxima matéria. Até lá. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

APODI: DNIT quer demolir residência e desapropriar moradores que se encontram as margens da BR 405 no Distrito de Melancias

D. Mariana Carvalho, que mora no Distrito de Melancias, zona rural do Apodi, Oeste do RN, está aflita. Está prestes a perder sua residência e ser desapropriada.
O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura do Trânsito) está querendo demolir sua residência juntamente com a residência do Pr. Gilberto de uma congregação do Distrito.

D. Mariana nos conta que há 01 ano recebeu uma visita do DNIT, notificando sua residência e a residência do Pr. Gilberto. O DNIT alega que sua casa e a do pastor na na área territorial do DNIT.
Ora, qual é esse critério do DNIT para decidir a esse respeito? Dezenas de centenas de casas em Melancias encontram-se as margens da BR 405. Muitas distantes, 05, 07, 10 metros da BR. Em Apodi mesmo, inúmeros estabelecimentos comerciais e casar estão praticamente dentro da BR 405.
Segundo nos relatou D. Mariana, sua residência encontra-se distante 28 metros da BR 405 que corta o Distrito de Melancias. Bem mais distante que diversas outras casas e estabelecimentos comerc…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio