Pesquisa da UFRN aponta riscos da queima artesanal da castanha do caju

Falta de conhecimento a respeito das condições nas quais ocorre a
queima da castanha de caju dificulta o controle dos potenciais
efeitos nocivos associadosa esse tipo de atividade.
Foto: Marcos Felipe Galvão
Por Marcos Neruber

Os riscos da queima artesanal da castanha de caju no semiárido potiguar são tema de pesquisa realizada por estudante do Programa de Pós-graduação em Bioquímica do Centro de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Marcos Felipe Galvão.

O objetivo do estudo foi realizar uma caracterização físico-química do material particulado (conhecido como MP) emitido pela queima artesanal da castanha de caju, assim como determinar o risco ocupacional e mecanismos moleculares associados.

De acordo com o pesquisador, o Brasil configura-se entre os maiores produtores de castanha de caju do mundo. Contudo a queima da castanha ainda é realizada de forma artesanal, sobretudo no semiárido brasileiro.

A região semiárida do Brasil é caracterizada por uma estação chuvosa curta anual e longos períodos de forte seca. Nesse contexto, o beneficiamento artesanal da castanha de caju é uma alternativa socialmente e financeiramente viável, pois além de poder ser desenvolvida por todos os membros de uma família, é um produto facilmente comercializável”, destaca o pesquisador.

Marcos Felipe ressalta que a falta de assistência aos trabalhadores, a informalidade da atividade e a falta de conhecimento a respeito das condições nas quais ocorre a queima da castanha de caju dificultam o controle dos potenciais efeitos nocivos associados a esse tipo de atividade.

Para o pesquisador, são necessárias medidas urgentes como a organização dos trabalhadores em associações e cooperativas, a viabilização de projetos de mini-fábricas com sistemas de exaustão coletiva que eliminam os poluentes atmosféricos, o uso de equipamentos de proteção individual, como luvas e máscara, bem como a melhoria no sistema de saúde da comunidade devem ser tomadas para o desenvolvimento sustentável da atividade.

Métodos
Foram utilizados dois métodos de medição do material particulado (o MP), um baseado nas propriedades óticas das partículas, enquanto que o segundo nas análises gravimétricas. Em seguida, as partículas foram caracterizadas fisico-quimicamente por microscopia eletrônica de varredura acoplada a espectroscopia de raio X por energia dispersiva, além de um complexo sistema de cromatografia líquida de alta eficiência acoplado a um cromatógrafo gasoso conjugado com um espectrômetro de massa.

O monitoramento da população exposta foi avaliado pela quantificação de biomarcadores de exposição na urina e de efeitos genotóxicos e citotóxicos nas células da mucosa oral dos trabalhadores.

Os mecanismos moleculares foram avaliados em cultura de células do pulmão humano, utilizando técnicas de biologia molecular, tais como a avaliação da fosforilação de proteínas e a expressão gênica.

Os experimentos foram conduzidos pelo doutorando Marcos Felipe envolvendo diversos laboratórios da UFRN, como o Laboratório de Biologia Molecular e Genômica (LBMG), Laboratório de Mutagênese Ambiental (LAMA), Laboratório de Microscopia Eletrônica de Varredura e o Grupo de Pesquisa de Modelagem e Observação de Química da Atmosfera (GP-MOQA).

Além de parcerias nacionais com o Laboratório de Estudos em Química Atmosférica do IQ-USP e Laboratório de Toxicologia da UFBA. Também foram conduzidos experimentos nas instituições envolvidas durante o doutorado-sanduíche do pesquisador, a Universidade de Estocolmo e o Karolinksa Institutet, Suécia.
Agência de Comunicação da UFRN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Após falta de atendimento pelo poder público gestante no quinto mês de gestação recorre ao Vereador Charton Rego

RECOMENDAÇÃO: Ministério Público recomenda que Prefeitura de Apodi cancele todos os convênios que possui com APAMI

Gestão bate meta e cumpre 26% das promessas de campanha em menos de um ano em Apodi

EM TEMPO: Negócios – Apesar do pouco tempo no mercado a San Valle já é sucesso em toda região