CIÊNCIAS E A SAÚDE: Psicóloga fala dos benefícios e alerta para os riscos do jogo Pokémon Go

Psicóloga Anna Lívia do Hapvida
Por Magnos Alves

Em meio à febre do jogo eletrônico Pokémon Go, a psicóloga Anna Lívia, do Hapvida, destaca os pontos positivos e negativos de se tornar um jogador. Por um lado, o jogo pode ajudar no aprendizado, combater o ócio e aumentar a interação social, mas, por outro, pode prejudicar a visão, causar vício e, principalmente, acidentes decorrentes da falta de atenção que o Pokémon Go provoca.

Confira na entrevista abaixo:

Quais os pontos positivos do jogo Pokémon Go?
Os jogos eletrônicos como Pokémon Go são excelentes para distrair a mente, ocupar o tempo livre e melhorar a memória e concentração. No entanto, para alcançar este objetivo é importante não passar mais de 2 horas por dia jogando, para evitar os danos que este tipo de jogo também pode trazer para a saúde.

E de que forma ele pode ser prejudicial?
Pokémon Go é um jogo eletrônico que combina o mundo real com virtual. Mas para capturar os pequenos bichinhos pode ser necessário enfrentar situações de risco como ter que atravessar ruas ou se colocar em locais pouco povoados, o que pode não ser seguro na vida real, havendo o risco de quedas ou assaltos, por exemplo. 

O jogo Pokémon Go favorece o aprendizado?
É um bom estímulo para o cérebro, sendo útil para acelerar as conexões nervosas e facilitar o aprendizado. Além disso, este tipo de jogo eletrônico favorece o planejamento estratégico, pensamentos lógicos e a tomada de decisões no mundo virtual que podem ter reflexo também na vida real.

Ele é importante também para combater o ócio?
Este tipo de jogo ainda tem o benefício de manter a pessoa ocupada tanto física como mentalmente, o que pode ser benéfico para ultrapassar barreiras emocionais e para evitar ficar obcecado com o mesmo pensamento repetidamente, que pode até mesmo atrapalhar a vida da pessoa.

Muito se fala no isolamento das pessoas em meio a esse mundo virtual em que vivemos, esse jogo pode ajudar na interação social?
O jogo Pokémon tem aumentado o número de grupos que se juntam na rua para caçar pokémons. Nestes grupos as pessoas podem conversar entre si para trocar dicas de jogo e, assim, desenvolver novas amizades.
O jogador precisa ficar concentrado na tela do celular, isso pode ter consequências física e muscular?
Como é preciso ficar olhando para a tela do celular enquanto anda, há maior risco de desenvolver má postura, valendo salientar que pode surgir intensa dor na região do pescoço e também no meio das costas.

Muito tem se falando em acidentes envolvendo jogadores de Pokémon Go, até com mortes, a falta de atenção é um dos principais problemas desse jogo?
O jogo requer um maior nível de concentração na tela do celular e, dessa forma, fica mais difícil estar atento ao que se passa ao redor, aumentando o risco de quedas ou atropelamentos. Além disso, como é necessário caminhar, muitas pessoas estão optando por jogar enquanto dirigem, o que pode levar a acidentes de trânsito sérios.

É possível afirmar que há riscos também para a visão?
A proximidade da tela e dos olhos força a visão numa só direção, o que acaba sendo prejudicial à vista porque aos poucos se pode ir perdendo a visão periférica e também ao longe.

Existe risco de o jogador ficar viciado?
Por proporcionar prazer e a possibilidade de fuga da realidade, existe também o risco de ficar viciado no jogo e de ficar adiando atividades e decisões relacionadas à vida real. Como o cérebro gosta do tipo de reforço positivo, a cada etapa do jogo, a pessoa passa a preferir ficar horas jogando e sendo bem sucedido virtualmente do que estudar ou trabalhar, especialmente se ela não estiver contente com estas atividades.

Quais os outros aspectos negativos de jogos eletrônicos como o Pokémon Go?
Outros aspectos negativos dos jogos eletrônicos são a diminuição do tempo máximo de atenção, favorecimento do comportamento antissocial e além disso, pode haver o risco de confusão entre realidade e mundo virtual, o que acaba favorecendo a depressão em crianças, jovens e adolescentes. Para aproveitar todos os benefícios que este tipo de jogo traz, sem os prejuízos que podem ser provocados, é preciso ter cuidado, e reforçando, não passar mais de 2 horas por dia jogando, e sim em momentos intercalados e estar sempre atento à sua segurança física, mental e emocional. Conversar com os colegas de sala de aula, do trabalho e com a família também pode ser útil para descobrir se você está adquirindo um vício, se está colocando sua vida em perigo ou se houve alguma mudança no seu comportamento depois de começar a jogar esse tipo de jogo.
Editor de Política do Jornal de Fato
Assessoria de Imprensa do Hapvidas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ABERRAÇÃO: Quem votou contra e quem votou a favor de mais desperdício de recursos públicos?

Diretora administrativa da maternidade Claudina Pinto pede demissão

EM TEMPO: Reunião da APAMI – As contradições do chefe do executivo

NOTA DE REPÚDIO AO PODER PÚBLICO MUNICIPAL DE APODI

Zelo pelo recurso público né? Sei!