VIXE: Ministério Público Federal diz que proposta do deputado saco preto Rogério Marinho “subverte a ordem constitucional”

O Ministério Público Federal encaminhou ao Congresso Nacional nota técnica em que considera”inconstitucional” proposta de incluir a proposta do deputado saco preto Rogério Marinho no programa Escola Sem Partido na Lei de Diretrizes e Bases da Educação.

A proposta prevê a “neutralidade” dos professores, limitando que os docentes exponham sua opinião política, por exemplo, nas salas de aula. Haveria ainda canais de reclamações para que alunos e famílias denunciem professores que estejam em desacordo com o texto.

Segundo a procuradora dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, a iniciativa “subverte” a ordem constitucional: impede o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, nega a liberdade de cátedra e a possibilidade ampla de aprendizagem, e contraria a laicidade do Estado, por permitir no espaço público da escola visões morais e religiosas particulares.

Comentários

  1. Sou a favor do projeto do senador magno malta, sabemos dos planos do pt par doutrinar as crianças e o povo brasileiro.Nao entendo como os professores uma categoria tao querida e especial deixa-se levar por mentiras,do pt, este projeto tem que ser aprovado e sansionado urgente, ja´opinei na enquete do senado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai é um pensamento de merda de um anônimo desses. O PT morreu e tá enterrado.

      Saco preto quer “subverte” a ordem constitucional: impede o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, nega a liberdade de cátedra e a possibilidade ampla de aprendizagem, e contraria a laicidade do Estado, por permitir no espaço público da escola visões morais e religiosas particulare como diz a procuradoria para tornar o brasileiro mais analfabeto politico ainda do que já é.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ABERRAÇÃO: Quem votou contra e quem votou a favor de mais desperdício de recursos públicos?

Diretora administrativa da maternidade Claudina Pinto pede demissão

EM TEMPO: Reunião da APAMI – As contradições do chefe do executivo

NOTA DE REPÚDIO AO PODER PÚBLICO MUNICIPAL DE APODI

Zelo pelo recurso público né? Sei!