HISTÓRICO: A luta agora deve ser focada para investigar aplicação dos recursos e proteção do lençol freático

Ambição e lutas
Sempre um dos objetos de consumo do ex-deputado Henrique Alves foi a direção do DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra Seca), o departamento responsável pelo perímetro irrigado da Chapado do Apodi.

O DNOCS deu início às obras do perímetro irrigado da Chapado do Apodi em Agosto de 2013 (Clique AQUI e confira) depois de muita luta dos agricultores e agricultoras do Apodi e da Chapada contra o projeto, idos de 2010, 2011 e 2012.

A proposito, DNOCS, Henrique Alves, perímetro irrigado da Chapado do Apodi, o projeto da morte. Como esses nomes se confundem. São almas gêmeas, carne e unha, metades da laranja. (Clique AQUI, ver matéria a respeito).

Visita. clqiue para ampliar. 
Em 2014, o principal interessado no projeto, o então presidente da câmara Henrique Alves visitou as obras do projeto, que até então ainda estavam em andamento. (CLIQUE AQUI e confira matéria). As obras foram paralisadas por vários motivos, um deles, a empresa vencedora da licitação da obra com grandes dividas

Ao contrário de pessoas que só são contra o projeto da morte agora, depois que deixaram o poder, nossa linha de trabalho aqui nesse blog sempre foi contra o projeto da morte, isso por que geralmente esse tipo de projeto, voltado ao agronegócio, pouco se preocupam com a sustentabilidade do planeta.

Não há uma preocupação com os moradores desapropriando-os das terras onde nasceram e viveram, geralmente há um uso excessivo de agrotóxico na produção, exploração sem controle das águas do lençol freático, além de sua contaminação, se produz para exportação e não para o consumo interno, dentre outros danos sérios.

Clique para ampliar. 
Hoje, vi através de um dos inúmeros grupos dos quais participo, que pessoas farão protesto contra o projeto ao longo da semana. Inclusive, algumas quando estavam no poder. Politicagem na mais sua pura essência? A preocupação e os protestos teriam sido muito bem vindos em idos de 2010, 2011 e 2012, quando engajamos duras lutas contra esse projeto (CLIQUE AQUI e confira).

Hoje, as empresas, mesmo sem a conclusão do perímetro – que está muito longe ainda de sua conclusão – estão se instalando, com grandes investimentos no local, agricultores já foram tirado de suas terras e já estão explorando nosso lençol freático. Enfim... o agronegócio venceu de novo.

Quanto as obras do perímetro irrigado hoje estão paralisadas a quase dois anos (CLIQUE AQUI e confira). Elas pretendiam ou pretendem ainda trazer águas da barragem de Santa Cruz por meio de estão elevatória, para imigrar 9 mil hectares da Chapada.

No entanto, o que seria interessante, no meu modo de ver as coisas, era protestarmos para descobrir como os recursos que ai foram fartamente gastos, foram executados. Pois todos sabemos: obras iniciadas e não concluídas, jogadas pelo meio do caminho, constituir um gigantesco desperdício de recursos.

Para minorar os males, ainda se pode engajar lutas para chamar atenção para a proteção de nossa maior riqueza, o nosso lençol freático. Isso sim, merece ser discutido (CLIQUE AQUI e veja matéria).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RETROSPECTIVA 2013/ 2016: APAMI e a gestão de Castelo

EM TEMPO: Reunião da APAMI – As contradições do chefe do executivo

Diretora administrativa da maternidade Claudina Pinto pede demissão

ABERRAÇÃO: Quem votou contra e quem votou a favor de mais desperdício de recursos públicos?

NOTA DE REPÚDIO AO PODER PÚBLICO MUNICIPAL DE APODI