Um partido ávido em captar recursos é igualmente ávido em desviá-los

Reprodução.
Vendo como a coisa funciona no Brasil, fica a impressão que existe um partido nesse país que é tão ávido, habilidoso, ardoroso em captar recursos infinitamente com mais potencial que os demais partidos, em especial para os municípios onde o mesmo comanda.

Mas, a avidez, a habilidade em captar os recursos não traduz-se em beneficio para o povo e sim, em sinônimo de captar com o intuito de desviar os recursos captados, isso acobertado por um esquema pesado que envolve muita gente, empreiteiras e instituições.

Pelo forma como agem, fica a impressão que existe até caixas 2 ou 3 em algum local centralizado, para depois haver uma redistribuição dos recursos desviados para alimentar bases políticas vorazes. Depois ficam se gabando pelas habilidade em captar recursos. Mas, veja a finalidade...

Se por ventura, por um milagre, um dia perdem o poder, passe depois órgãos de fiscalização pelos municípios que governavam e os senhores verão o desmantelo deixados. É uma coisa simplesmente impressionante. Não seria por isso que boa parte das obras começam e não terminam, bem menos tem perspectivas de terminar?

Uma verdadeira quadrilha das mais organizadas que se possa imaginar. Disso, os defensores não se gabam em redes sociais, rádios, na mídia. Impressionante. Assim, acredito que a PF em parceria com a CGU, usando seus órgãos de inteligência deveria intensificar e melhor aprimorar suas investigações, aproveitando a expansão da lava jato. 

Afinal, boa parte dessas investigações acabam ficando somente no papel e dentro de confortáveis escritórios. Não se vai in loco. Tudo acaba passando em branco. Acaba-se endossando o mal feito. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ABERRAÇÃO: Quem votou contra e quem votou a favor de mais desperdício de recursos públicos?

Diretora administrativa da maternidade Claudina Pinto pede demissão

NOTA DE REPÚDIO AO PODER PÚBLICO MUNICIPAL DE APODI

EM TEMPO: Reunião da APAMI – As contradições do chefe do executivo

Zelo pelo recurso público né? Sei!