Pular para o conteúdo principal

CIÊNCIAS E A SAÚDE: Uma pancada na memória das crianças

Baques na cabeça, em especial nos pequenos, são sempre motivo de preocupação. Mas, assim que tontura, confusão, enjoo e outros sintomas de uma sacudida cerebral somem - e só sobram um galo ou uma cicatriz -, tendemos a achar que está tudo resolvido. Essa ideia, no entanto, é questionada por um estudo das universidades de Illinois, nos Estados Unidos, e de Montreal, no Canadá, conduzido com 30 crianças de 8 a 10 anos.

Metade da garotada havia sofrido, em média dois anos antes, uma concussão relacionada ao esporte, enquanto o restante não apresentava histórico de lesões desse tipo. Ao realizar testes de memória, atenção e controle de impulsos, não deu outra... Os pesquisadores perceberam que a primeira turma, mesmo depois de tanto tempo do acidente, apresentou resultados um pouco piores, além de diferenças nos sinais elétricos emitidos pela massa cinzenta. Descobriram, ainda, que, quanto mais cedo na vida o menino ou a menina tinham se machucado, maior a dificuldade naqueles exames. "Isso porque o cérebro está em plena formação", analisa o neuropediatra Erasmo Casella, do Hospital Israelita Albert Einstein, na capital paulista.

Agora vamos dar um passo atrás: concussão e trauma não são sinônimos. Só se usa o primeiro termo quando surge uma lesão no cérebro proveniente do atrito com o crânio. Aliás, não raro ela é provocada até sem contato físico - uma freada brusca no carro tem potencial para isso. "E essas alterações às vezes são difíceis de diagnosticar", conta a neuropediatra Adriana Mandia Martirani, pós-graduanda no Hospital das Clínicas de São Paulo. A dificuldade do diagnóstico aumenta se os sinais clássicos são brandos, demoram pra dar as caras ou não são relatados. "Na hora do choque, a criança pode não reclamar de nada. Mas é possível que os sintomas apareçam após um tempo", alerta o neuropediatra Gustavo Rodrigues Valle, presidente do Departamento de Neurologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Considerando tudo isso, convém ficar de olho nos acidentes que aparentam não ter gerado nada de preocupante - boa parte deles acontece dentro do lar. Se achar necessário, converse com o pediatra ou procure um pronto-socorro. "Atualmente, não existem tratamentos específicos para esse quadro", afirma o neuropediatra Robert Davis Moore, um dos autores da investigação americana e canadense. Entretanto, há como remediar as repercussões do problema, a exemplo de dores de cabeça, vômitos, sonolência e convulsões. "Em certos casos, indicamos também treinamento neuropsicológico e cognitivo", complementa Casella. Essa é uma medida para tentar melhorar as consequências de médio prazo da pancada, reveladas na pesquisa mencionada.

Moore acrescenta que, após uma concussão, o ideal é a criança evitar esforços físicos e mentais. O repouso pode exigir até faltas na escola - artigos sugerem que esse descanso ajuda a recuperar o cérebro. Só não deixe o pequeno dormir demais logo após o choque na cuca. No fim das contas, apesar de todos os cuidados, às vezes acidentes acontecem. E é aí que uma boa conduta dos pais (sem neurose, claro) vem proteger os filhos. Tanto hoje quanto daqui a alguns anos.

Prevenir para não remediar
Há medidas que diminuem o risco de traumas e concussões na cabeça. Quando o assunto é prática esportiva, por exemplo, capacetes adequados a cada modalidade auxiliam a manter o cérebro livre de ameaças. Dentro do automóvel, instalar cadeiras de segurança compatíveis com a faixa etária da criança ameniza eventuais chacoalhões. Já antiderrapante no piso e nos tapetes e grades de proteção nas escadas tornam a casa menos propícia a acidentes. O sinal mais comum de concussão é a dor de cabeça, que pode se tornar crônica quando não tratada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

Vereador Charton Rêgo propõe inclusão do ensino de LIBRAS em escolas do Município

Aconteceu nesta noite de terça-feira 14/11/2017 as 19hs na sede da Câmara Municipal de Apodi-RN, uma reunião convocada pelo Vereador da Política com Seriedade Charton Rêgo. Alunos apodienses do Curso de Libras (UFERSA, Campus Caraúbas) e membros da Comunidade Surda de Apodi, foram convidados para debater sobre o Projeto de Lei 136/2017 de autoria do Vereador Charton Rêgo que propõe a inclusão da Língua Brasileira de Sinais no currículo escolar no âmbito municipal.
A PL (Projeto de Lei) que na sessão desta quinta-feira 16/11/17 será encaminhada as comissões, foi apresentada ao grupo que compareceu a reunião. Se aprovada e posteriormente sancionada pelo Executivo, a partir de 2018 a Secretaria de Educação terá obrigatoriedade de garantir acesso das pessoas surdas à comunicação, à informação e à educação, como rege a legislação federal que determina que uma série de medidas sejam tomadas pelos Estados e Municípios que visem tais garantias.
A PL ainda trata sobre a promoção de cursos de c…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio