Pular para o conteúdo principal

PÓS-MODERNIDADE OU FIM DA PICADA? - Primeiro ensaio

Por Tássio Ricelly
Estudante de Filosofia e Bolsista do CNPq

Provocar uma reflexão acerca do tempo em que vivemos é o intuito deste simples ensaio, mas não prometo conseguir. Para tanto, tentei de forma humorada comparar “o hoje” com o “fim da picada”, este ditado popular tão usado no nosso cotidiano. A palavra picada, além de seu sentido mais comum, significa uma passagem estreita ou larga, aberta no mato, para acesso a certo ponto. Logo, o "fim da picada" é o lugar onde não se tem mais uma trilha no mato, é o "fim do caminho". Será que podemos afirmar que estamos no “fim do caminho”? Será mesmo que a modernidade chegou ao fim? Podemos afirmar que já vivemos na pós-modernidade?

É comum lermos em artigos de revistas e jornais o termo “pós-modernidade”, este, acredito, muitas vezes mal aplicado, carrega como plano de fundo a ideia de que a modernidade acabou, e que estamos em um tempo posterior a ela. No entanto, a modernidade ainda não cessou, em primeiro lugar não há nada de pós-moderno na ciência. O sentimento que a motiva ainda é o mesmo, a ganância guiada pelo progresso econômico. Ela é aplicada cegamente para fins destrutivos, como é o caso da corrida armamentista. Apesar das benesses que a racionalidade científica nos concede, não podemos fechar os olhos para em que ela transformou a sociedade. Vivemos em um mundo economicamente matematizado, onde a essência foi substituída pela quantidade, em outras palavras, o sentimento que nos orienta é o que nos faz gritar: “quanto mais, melhor”. Quanto mais dinheiro, melhor; quanto mais títulos acadêmicos, melhor; quanto mais parceiros(as) sexuais, melhor. Nada me parece avançado, nada me parece “pós” isto ou aquilo. Creio que houve – no mínimo – um retrocesso moral, senão, o “fim da picada”.

      O Iluminismo que inaugura o sentimento de maioridade que caracteriza a modernidade anunciou um homem livre da opressão religiosa, do obscurantismo, das trevas medievais. Entretanto, a mesma modernidade que libertou o homem da fé, ou melhor, dá submissão religiosa, o sujeitou ao capitalismo (questão que trataremos em um segundo ensaio). Portanto, concordo com Rouanet[1] ao afirmar que, não há pós-modernidade, mas sim, uma imensa vontade de nos afirmarmos pós-modernos, pois já não suportamos o nosso tempo.





[1] Paulo Sergio Rouanet é filósofo e professor na Universidade de Brasília – UNB, escreveu vários livros de repercussão internacional, entre eles As razões do Iluminismo

Comentários

  1. Com sempre, os textos de Tasso uma pintura. Gostei demais. Rapaz inteligente esse.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do artigo, bem reflexivo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

APODI: Mulher dá a luz a uma Criança dentro de um carro

Há tempos prometi para mim mesmo deixar de falar aqui sobre os desmandos do Apodi. Tenho cumprido. Mas, hoje um fato me chamou atenção e é impossível não narrá-lo aqui.

Desde que convênio entre a PMA e a maternidade Claudina Pinto do Apodi deixou de existir, mães de Apodi, bem como de outros municípios que usavam os serviços da maternidade, ficaram um tanto quanto órfãos no que diz respeito à natalidade.
Na tarde deste domingo, 08, um fato triste se deu aqui em Apodi com relação a natalidade. Uma mulher deu a luz dentro de um carro aqui na cidade do Apodi. Um fato triste. Como a maternidade Claudina Pinto faz falta a uma população de 35 mil habitantes e para a região. Lamentável que, na atualidade, isso é considerado  agora normal, uma mãe parir dentro de um carro. Até algum tempo não era normal. Se acontecesse o mundo caia.
Que triste. Vir ao mundo em um carro? Acho que todos tem direito de nascer dignamente. Que saudade da atuação daqueles justiceiros que fizeram grande manifestação co…

Vereador Charton Rêgo propõe inclusão do ensino de LIBRAS em escolas do Município

Aconteceu nesta noite de terça-feira 14/11/2017 as 19hs na sede da Câmara Municipal de Apodi-RN, uma reunião convocada pelo Vereador da Política com Seriedade Charton Rêgo. Alunos apodienses do Curso de Libras (UFERSA, Campus Caraúbas) e membros da Comunidade Surda de Apodi, foram convidados para debater sobre o Projeto de Lei 136/2017 de autoria do Vereador Charton Rêgo que propõe a inclusão da Língua Brasileira de Sinais no currículo escolar no âmbito municipal.
A PL (Projeto de Lei) que na sessão desta quinta-feira 16/11/17 será encaminhada as comissões, foi apresentada ao grupo que compareceu a reunião. Se aprovada e posteriormente sancionada pelo Executivo, a partir de 2018 a Secretaria de Educação terá obrigatoriedade de garantir acesso das pessoas surdas à comunicação, à informação e à educação, como rege a legislação federal que determina que uma série de medidas sejam tomadas pelos Estados e Municípios que visem tais garantias.
A PL ainda trata sobre a promoção de cursos de c…

INCIDENTE: Motorista mergulha carro da prefeitura do Apodi em rio